VACINA

Pesquisa: 57% dos brasileiros acham que vacinação deve ser obrigatória

Senador e ex-ministro da Saúde, Marcelo Castro diz que rejeitar a vacina contra Covid afeta direito coletivo


Marcelo Castro

Marcelo Castro Foto: Leopoldo Silva

Uma pesquisa do Instituto DataSenado apontou que 57% dos brasileiros defendem a obrigatoriedade da vacina contra a Covid-19. O levantamento apontou ainda que para 99% desses entrevistados o governo deve distribuir a vacina gratuitamente a todos os brasileiros. Para 42%, a vacinação deve ser opcional. O médico e ex-ministro da Saúde, senador Marcelo Castro (MDB-PI), voltou a se posicionar favoravelmente à obrigatoriedade da vacinação.

Lula: Globo nunca vai me pedir desculpas pois esse gesto exige grandeza

Gasto militar global equivale a um Bolsa Família por dia em 2020

Fachin determina que Lava jato em Curitiba analise recurso de Lula


"A pessoa não sendo imunizada, ela pode ser contaminada e ainda contaminar outras pessoas. Evidentemente que o direito individual, de cada um, tem que estar submetido ao direito coletivo. Sua liberdade é submetida à liberdade dos demais. É assim que as civilizações se organizaram e chegamos até aqui", disse Castro em vídeo.
Outro argumento do parlamentar piauiense é que, em casos de doença contagiosa, a pessoa pode transmitir para outras pessoas caso não seja imunizada, o que iria de encontro com o direito coletivo.
Ainda de acordo com a pesquisa, a maioria dos entrevistados concorda que pessoas do grupo de risco, profissionais da saúde e profissionais de segurança pública devem ter prioridade no recebimento do imunizante: respectivamente, 95%, 97% e 88% concordam com isso.
“Não vacinar-se contra a covid-19 significa continuar participando da cadeia de disseminação do novo coronavírus”, alerta o médico Hemerson Luz em reportagem da TV Senado. Para o senador Humberto Costa (PT-PE), a vacinação contra essa doença “é um ato de preservação da saúde coletiva”.
Para essa pesquisa, realizada em âmbito nacional, foram entrevistadas por telefone 2.400 pessoas com 16 anos ou mais, no período entre 24 de novembro e 3 de dezembro do ano passado

Fonte: Agencia Senado

Próxima notícia

Dê sua opinião: