Pacote antidrogas facilita internação involuntária e fortalece clínicas

Pacote que muda 13 leis sobre drogas aguarda sanção de Bolsonaro


Apreensão de drogas em aeronave

Apreensão de drogas em aeronave Foto: SSP - PI

Aprovado no Senado na última quarta-feira (15) após seis anos de discussão no Congresso, um pacote que muda 13 leis sobre drogas espera a assinatura do presidente Jair Bolsonaro para entrar em vigor. O texto facilita a internação involuntária de dependentes químicos e fortalece as comunidades terapêuticas, instituições sem fim lucrativo que atuam na reabilitação.

Proposto em 2013 pelo atual ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB-RS), quando ele ainda era deputado, o texto permite a internação involuntária (sem o consentimento do paciente) feita a pedido de um familiar ou um servidor da saúde/assistente social, na ausência de parentes. Até então, não havia nenhuma previsão legal para internação involuntária.

Outra mudança na política de drogas promete dar fôlego financeiro a entidades de reabilitação. O pacote permite que pessoas físicas ou jurídicas revertam 30% do Imposto de Renda a clínicas, comunidades terapêuticas e outros projetos de recuperação de dependentes que tenham sido aprovados pelos conselhos estaduais de políticas sobre drogas.

Leia mais

Bolsonaro desperta rumores ao compartilhar texto sobre dificuldades…

17 maio, 2019

Decreto de Bolsonaro viola autonomia de reitores para nomear equipes,…

16 maio, 2019

Apesar de ter tramitado por seis anos, o projeto prosperou rapidamente em sua reta final no Senado. O texto passou pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no dia 8 de maio, foi pautado em plenário já na semana seguinte e aprovado no dia 15.

Combate ao tráfico

O projeto aprovado não implica em endurecimento penal para os usuários. O que está previsto é o aumento da pena mínima de prisão de 5 para 8 anos para os considerados “traficantes profissionais”, ou seja, “quem exerce o comando, individual ou coletivo, de organização criminosa”, conforme o texto.

Outra via de combate ao tráfico aprovada no projeto é a econômica: o texto possibilita a alienação de bens como carros, barcos e aviões usados no trafico de drogas antes que haja uma denúncia. Estes bens poderão ficar à disposição da polícia ou das entidades de tratamento de dependentes.

Lideranças conservadoras no Congresso, em geral, comemoraram a aprovação do projeto, como mais um passo longe da descriminalização das drogas, mas a nova legislação não trata destas questões.

Está agendada para o dia 5 de junho a retomada de um julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), iniciado em 2015, sobre a descriminalização do uso e porte de drogas. A partir de um pedido da Defensoria Pública de São Paulo, os ministros vão decidir se a prisão de consumidores de drogas é constitucional.

Comunidades terapêuticas

Segundo a Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas (Febract), o pacote aprovado no Congresso foi um avanço porque permitirá ao Estado distnguir e valorizar os locais que fazem um trabalho serio.

"No Brasil existe uma infinidade de locais que se autodenominam CTs [Comunidades Terapêuticas] sem reunir as condições mínimas para isto. Muitos locais clandestinos de internação involuntária, que mais são locais de sequestro e cárcere privado, se autodenominam CTs, e mancham com seus crimes a reputação de instituições sérias que desenvolvem trabalho de excelência", diz um trecho de nota elaborada pela entidade.

Fonte: Congresso em foco

Próxima notícia

Dê sua opinião: