INVESTIGAÇÃO

Testemunhas afirmam que gerente do Banco do Brasil encontrado morto não foi agredido

Seis pessoas foram ouvidas até o momento e o caso é investigado pelo DHPP


Jardel Igor Gomes de Lima

Jardel Igor Gomes de Lima Foto: Arquivo pessoal

O Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) está investigando a morte do bancário Jardel Igor Gomes de Lima, de 30 anos. Até o momento, seis pessoas já foram ouvidas. Jardel foi encontrado morto na madrugada de sábado (19), no terreno de boate, no bairro Cidade Nova, na zona Sul de Teresina.

O delegado responsável pelo caso é Danúbio Dias. De acordo com o delegado, as testemunhas relataram que o bancário não foi agredido por ninguém, mas que ele ele tentou agredir uma funcionária da boate. 

No atestado de óbito consta que Jardel morreu em decorrência de um edema cerebral após um trauma encefálico, no entanto não se sabe como o trauma foi causado. A polícia aguarda laudo dos médicos legistas, que devem revelar detalhes sobre a lesão. 

Gerente do Banco do Brasil é encontrado morto próximo a uma boate da Zona Sul de Teresina

A polícia investiga todas as hipóteses possíveis para a morte como homicídio, lesão corporal seguida de morte e causa natural.

Ainda segundo o delegado, as testemunhas relataram que durante o tempo em que esteve na boate - onde foi achado morto - ele se alterou e começou a quebrar coisas dentro do estabelecimento. 

No local, havia as seis pessoas que foram ouvidas, entre funcionários e frequentadores. Todos relataram, segundo Dias, que o bancário tentou agredir uma funcionária e que se debatia.

Jardel Igor era gerente da agência do Banco do Brasil do bairro Piçarra, também na zona Sul da capital.  O DHPP tem até 30 dias para concluir o inquérito, podendo solicitar prorrogação se necessário. 

Fonte: Com informações do G1 PI

Próxima notícia

Dê sua opinião: