Polícia investiga atuação de "tribunal do crime" no Piauí

Mortes violentas, vídeos e pichações aponta para atuação de facções


Crime Cruel

Crime Cruel Foto: Reprodução/redes sociais

Os vários homicídios ocorridos na semana passada em Teresina, todos com características de execução – um adolescente levou mais de sete tiros, a maioria na cabeça na semana passada - e dois vídeos com imagens chocantes mostrando a execução de um homem negro e de um jovem levando tiros nas mãos, por serem criminosos, levaram a Polícia Civil do Piauí a investigar a existência de um grupo de extermínio, uma espécie de “esquadrão da morte” ou "tribunal do crime" atuando em várias regiões da capital e até no interior do estado.

Edvaldo Rocha da Silva, de 17 anos, foi assassinado na Avenida Boa Esperança, no bairro São Joaquim, zona Norte de Teresina, quando deixava um baile de reggae com a namorada. A quantidade de tiros no corpo da vítima é uma "assinatura" dessas quadrilhas.  

Há vários outros indícios da atuação desses grupos de “justiceiros”, a maioria criminosos de alta periculosidade, integrantes de facções criminosas, como o Bonde dos 40, que atua com extrema violência em várias cidades do Maranhão, são pichações existentes na zona Sul de Teresina, como na região do bairro Santo Antônio. Lá, são várias casas com a marca “B40” pichadas nas paredes, numa referência à atuação da facção criminosa naquela área.

O delegado-geral de Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko Leal, apura se os vídeos foram gravados no Piauí. "Vamos investigar, principalmente, identificar quem é essa pessoa que aparece  no vídeo sendo alvejada com os disparos de arma de fogo. A partir dessa identificação, vamos confirmar onde esse fato ocorreu, se foi em Teresina, quando ocorreu, quem são os autores e a motivação do crime. Tudo parte, inicialmente, da identificação dessa vítima. A partir disso, vamos nos posicionar melhor sobre a motivação do crime"

Impactantes

No final de semana, dois vídeos com imagens apavorantes, mostram a brutalidade dos criminosos que participam dos chamados tribunais do crime, onde bandidos de grupos rivais são perseguidos, apanhados vivos e levados a “julgamento”. Os rivais julgam e aplicam a sentença, tendo o cuidado de gravar tudo e postar nas redes sociais.

Num dos vídeos, um assaltante aparece ajoelhado, enquanto um outro bandido ameaça. "Esse aqui é um safado que roubou na quebrada. Tu vai roubar na quebrada ainda? Por que que tu roubou? Não vai falar, não?  Não rouba na quebrada que aqui tem lei. Aqui tudo é 40". E atira nas mãos do rival, que aparece com uma arma apontada para a cabeça.

O outro vídeo é ainda mais violento. Um homem aparece de joelhos e um outro homem fala algo quase que inaudível, não dá para se perceber o crime que a vítima cometeu. Depois, a pessoa que estava falando aponta um revólver para a cabeça do rival e dispara. O tiro é certeiro, a vítima cai para trás com o impacto. O atirador continua disparando e acertando a cabeça do desafeto já morto.

Fonte: Polícia Civil

Próxima notícia

Dê sua opinião: