QUARTA FUGA

Detento que deixou diretor preso na Casa de Custódia continua foragido

Francílio, que fugiu por quatro vezes do sistema prisional do Piauí, cumpria pena por tentativa de homicídio


A imagem à direita é do momento em que Francílio foi recapturado em 2019 após a terceira fuga

A imagem à direita é do momento em que Francílio foi recapturado em 2019 após a terceira fuga Foto: Reprodução

Às 16h30 deste sábado (04) completou-se quatro dias desde que o interno Francílio Lima Teles foi levado para soldar o portão externo da Penitenciária Professor José Ribamar Leite, antiga Casa de Custódia, e teve a oportunidade de ficar do lado de fora do prédio, soldou o portão aos trilhos, para que assim ele não corresse, deixando todos os servidores da unidade, incluindo o diretor e o que já lá estão presos, presos. Advogados que atendiam presencialmente seus clientes também passaram pelo sufoco.

Francílio fugiu e ainda levou as ferramentas que usou para a façanha. Desde então não se tem mais notícias de seu paradeiro. Foi a quarta fuga dele dentro do sistema penitenciário do Piauí, onde desde 2017 cumpre pena pelo crime de tentativa de homicídio, previsto no art. 121 c/c art. 14, II do Código Penal Brasileiro.

Em nota, a Secretaria de Justiça informou que abriria procedimento para apurar as circunstâncias da fuga. 

NOTA

A Secretaria de Estado da Justiça informa que o preso Francilio Lima Teles fugiu no último dia 30 de junho, por volta das 16h, da Penitenciária Prof. José Ribamar Leite. O preso estava fazendo um serviço de soldagem em um portão lateral da unidade e aproveitou o descuido do servidor para empreender fuga. A Sejus abriu procedimento para investigar a causa da fuga.


FUGAS

A fuga anterior de Francílio aconteceu há um ano atrás, porém na Penitenciária Major César, para onde o preso foi levado pelo diretor da Casa de Custódia para fazer reparos naquela unidade após a rebelião e fuga dos detentos. Francílio também se aproveitou da confiança que tinha junto ao diretor e fugiu durante o serviço.

Já a primeira fuga de Francílio foi da Penitenciária Mista de Parnaíba, a segunda do antigo Hospital Penitenciário, que fica ao lado da Major César, de onde ele fugiu ano passado em sua terceira ação. Ele deu entrada no sistema prisional em 2017, no presídio de Esperantina, porém os agentes descobriram um plano de fuga dele e a Sejus o transferiu para o litoral. 

Em Parnaíba, Francílio foi designado a fazer a manutenção do Fórum da cidade, de onde empreendeu fuga. De lá para cá ele fugiu uma vez por ano. No antigo Hospital Penitenciário, o preso também foi levado para realizar serviços e saiu da unidade dizendo que ia comprar material. Ele não voltou mais.

Próxima notícia

Dê sua opinião: