MANIFESTO NEGRO

Entidades farão ato pela morte do pedreiro negro morto em abordagem da PRF em Picos

O movimento foi intitulado 'Manifesto Negro Picos' e luta contra o racismo institucional


Pedreiro morto em abordagem da PRF em Picos

Pedreiro morto em abordagem da PRF em Picos Foto: Montagem Piauí Hoje

A morte do pedreiro Joílson Pereira durante uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-316 em Picos, no Sul do Piauí, causou grande revolta na população. Joílson foi baleado por policiais rodoviários federais na noite de quarta-feira (03) quando trafegava em uma moto. Várias entidades que defendem os negros e pessoas que estão indignadas com a morte do pedreiro se uniram e lançaram o Manifesto Negro Picos,

A manifestação pacífica, que busca ser simbólica e marcante, será iniciada com uma caminhada que vai do Fórum de Picos à Praça Josino Ferreira, na próxima segunda-feira (08), a partir das 07h. O movimento vai homenagear o pedreiro Joílson, mas também lutar por todos aqueles que enfrentam o racismo diariamente. O movimento destaca ainda as mortes sem direito a defesa, os cargos inferiores nas empresas, a desigualdade financeira, entre outras pautas.

O movimento tem apoio de grupos culturais como o Adimó, grupos de capoeira, União de Negros pela Igualdade (UNEGRO) e diversas entidades do Piauí.

A família de Joilson acusa os policiais de terem sido truculentos ao efetuarem dois disparos contra o pedreiro que estava desarmado. Na abordagem, Joílson vinha de moto do município Bocaina, onde estava trabalhando, quando foi abordado pela PRF. Ele não parou o veículo e foi atingido pelos disparos.

A viúva de Joilson, Maria Raimunda Lima, 49 anos, relatou que o marido disse antes de morrer, no hospital, que foi uma “covardia dos policiais”. Joilson morreu na manhã ddo dia seguinte no Hospital Justino Luz, em Picos.

Em nota, a Polícia Rodoviária Federal disse que as circunstâncias e procedimentos adotados na ação policial serão apuradas pelo órgão e que a ocorrência foi encaminhada para a Polícia Federal, em Teresina.

Próxima notícia

Dê sua opinião: