PANDEMIA

Piauí tem 16 mortes em 24h e passa de 58 mil casos do novo coronavírus

Há duas semanas o Piauí vem registrando média de 16 mortes por dia em razão da Covid-19


Covid-19

Covid-19 Foto: Divulgação

Com mais 1.290 casos confirmados nas últimas 24h, o Piauí hoje tem 58.390 infectados com o novo coronavírus. Com as 16 mortes consolidadas no boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (06) pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) já são 1.452 óbitos em decorrência da Covid-19.

Os 1.452 óbitos foram registrados em 136 municípios. 848 das vítimas eram homens e 604 mulheres. Com pequena variação de 15 a 18 mortes, a média de óbitos por dia tem se mantido estável desde a última semana.

Dos 1.290 casos confirmados da doença hoje, 739 são mulheres e 551 homens, com idades que variam de três meses a 96 anos.

Dez mulheres e seis homens não resistiram às complicações do novo coronavírus. Elas eram naturais das cidades de Cocal (40 anos), Jurema (69 anos), Parnaíba (89 anos), Piripiri (37 anos), Redenção do Gurgueia (75 anos) e Teresina (51, 66, 74, 78 e 82 anos). Já eles eram de Barras ( 53 e 70 anos), Parnaíba (42 anos), Picos (75 anos) e Teresina (73 e 97 anos).

Dos 224 municípios do estado, apenas três não têm casos de contaminação pelo coronavírus e são Arraial, Canavieira e Jardim do Mulato. A Covid-19 está presente em 98,7% do território piauiense.

Dos leitos existentes na rede de saúde do Piauí para atendimento à Covid-19, há 723 ocupados, sendo 420 leitos clínicos, 282 UTIs e 21 leitos de estabilização. As altas acumuladas somam 2.474 até o dia 06 de agosto.

A Sesapi estima que 56.215 pessoas já estão recuperadas ou seguem em acompanhamento (casos registrados nos últimos 14 dias) que não necessitaram de internação ou evoluíram para morte.

O que é o COVID-19

COVID-19 é a doença infecciosa causada pelo coronavírus descoberto mais recentemente. Este novo vírus e doença eram desconhecidos antes do início do surto em Wuhan, China, em dezembro de 2019.

Como se proteger do coronavírus

- Lavar as mãos frequentemente por 20 segundos com água e sabão ou higienizá-las com álcool em gel;

- Cobrir o nariz e a boca com um lenço ou o cotovelo ao tossir e espirrar;

- Evitar contato próximo (um metro de distância) com pessoas que não estejam bem;

- Ficar em casa e se isolar das outras pessoas que moram com você caso apresente os sintomas da doença.

Sintomas do COVID-19

Os sintomas mais comuns do COVID-19 são febre, cansaço e tosse seca. Alguns pacientes podem ter dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta, diarreia, perda do olfato e paladar. Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Algumas pessoas são infectadas, mas não desenvolvem sintomas e não se sentem mal.

A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recupera da doença sem precisar de tratamento especial. Cerca de 1 em cada 6 pessoas que recebe COVID-19 fica gravemente doente e desenvolve dificuldade em respirar.

As pessoas idosas e as que têm problemas médicos subjacentes, como pressão alta, problemas cardíacos ou diabetes, têm maior probabilidade de desenvolver doenças graves.

Pessoas com febre, tosse e dificuldade em respirar devem procurar atendimento médico.

Quem é do grupo de risco

Idosos e pessoas com condições médicas pré-existentes (como pressão alta, doenças cardíacas, doenças pulmonares, câncer ou diabetes) parecem desenvolver doenças graves com mais frequência do que outros.

Serviço ao leitor

Baixe aplicativo Monitora Covid 19 através do Play Store ou Appe Store, localizando "Monitora Covid 19". Coloque nome, CPF e endereço no cadastro e você poderá falar com médicos de várias especialidades.

Pelo aplicativo Monitora Covid 19, você também poderá fazer consulta e ser atendido de forma virtual ou, se necessário, presencial qualquer dia da semana e qualquer hora, na rede de saúde publica e privada, em qualquer cidade do Piauí. O serviço funciona 24 horas.

Acesse

Para mais informações sobre a Covid-19 e como enfrentar a doença baixe e acesse link abaixo:

http://coronavirus.pi.gov.br

Próxima notícia

Dê sua opinião: