INOVAÇÃO

Menos PREVISÃO e mais AÇÃO! O novo, e necessário, olhar sobre a Inovação

É o que acredita a consultoria de inovação 16 01, que utiliza o melhor das metodologias de inovação e negócios para criar projetos


Inovação

Inovação Foto: ViaSoluTI

Não dá mais para ficar parado esperando para ver o que vai acontecer, qual previsão vai se concretizar, como uma espécie de "bolão" de Copa do Mundo Corporativo. Afinal o cenário de transformações atuais, acentuado pela pandemia global do covid-19, impôs uma nova realidade que chegou para ficar. Algumas empresas tiveram que parar por força maior, outras continuam trabalhando e inovando porque entendem que o mercado mudou e elas também precisam estar em movimento.

"A maioria das empresas de alto crescimento, ou startups, tem um caixa que pode durar de 2 a 4 meses sem receita. No entanto, as grandes e médias empresas, que são mais estruturadas e tem mais condição financeira, têm a obrigação de continuar se reinventando e investindo", afirma Eduardo Paraske, publicitário e um dos sócios-fundadores da consultoria de inovação 16 01

Dentro deste contexto a 16 01, propõe uma nova reflexão sobre o tema nas empresas: Menos Previsão e mais Ação. "A inovação deve ser vista como investimento e não como custo. Apesar de entendermos que em um momento tão difícil como este se faz necessário um planejamento e revisão de estratégia de sobrevivência, as empresas precisam mudar a mentalidade daqui para frente e acabar com o que chamamos de miopia funcional, onde enxergam somente os ganhos do curto prazo e não a longo. Essa é a hora em que mais precisam inovar", afirma Leo Brazão, também sócio-fundador da consultoria.

Na 16 01, os sócios Eduardo Paraske e Léo Brazão, ambos com larga experiência em marketing, insights e inovação em empresas como Google, Waze, Samsung, Unilever, Bloomin Brands entre outras, utilizam as melhores metodologias de inovação do mundo na aplicação de projetos customizados para os diferentes desafios dos clientes. "Mapeamos as dores do usuário e, juntos, criamos diferentes jornadas a serem testadas e implementadas para gerar resultados de negócios e impacto", conta Paraske.

Para o processo de construção dos projetos dos clientes, a consultoria se guia pelos três pilares Cultura, Colaboração e Impacto alinhados com suas crenças centrais:

●        Modelo é não ter modelo – Sim, inovação não é discurso de guru ou receita de bolo. Para eles, umas das poucas certezas é a de que não existe caminho ou modelo certo. O que existe é um caminho de experimentação, sujeito a muitas tentativas, erros e acertos. E, quando se acerta, a missão não acaba, é necessário seguir em frente, buscando melhorias e maneiras de tornar o processo acessível.

●        Inovação é mindset – Inovação é cultura contínua e não somente o próximo produto ou serviço criado pela empresa. A ideia de que é somente um novo produto pode acabar limitando o escopo do que pode ser uma virada de negócios. Por tanto, inovação é colaboração, propósito, empoderamento, coragem para errar, vontade de acertar e determinação para aprender continuamente.

●        Usuário é a estratégia - Quando as metas e objetivos da companhia são definidas, elas são geralmente definidas pelo board, com números, e depois as equipes têm que gerar a demanda e ir atrás dos resultados. A 16 01 acredita que quando o usuário é compreendido e tem suas dores resolvidas, isso em escala é a demanda que será gerada organicamente, e, consequentemente, os resultados virão. Portanto, o usuário não faz parte da estratégia, ele é a estratégia. E por usuário entende-se o seu consumidor, seu público alvo.

Qual a maior dor da inovação hoje? "Inovação, em geral, está atrelada a um produto a ser lançado, porém é mais eficiente focar a inovação na resolução da dor do cliente que, consequentemente, é a dor do segmento que atua. O valor de qualquer produto ou serviço é sempre atribuído pelo usuário. É nele que chegam dores e as melhorias do mercado. Vamos sempre comunicar o nosso foco no usuário e mostrar que estamos construindo uma estratégia voltada para que essas melhorias impactem a sua experiência", elucida Brazão. 

E como mudar o conceito de inovação e adequá-la à nova realidade? O modelo antigo está se desfazendo, mas o novo ainda não está pronto. É preciso colaborar e construir junto.

image.png 

A pesquisa global e anual que a consultoria Deloitte faz em conjunto com a MIT Sloan Management Review com cerca de cinco mil gerentes, executivos e analistas das mais importantes empresas do mundo que investem em inovação digital, incluindo executivos e líderes de opinião das mesmas, detectou que as empresas que são maduras na área têm melhor desempenho do que as menos maduras. 

As empresas com maturidade digital têm muito mais probabilidade de colaborar com parceiros externos do que suas contrapartes menos maduras. E, além disso, 80% dos entrevistados das empresas com maturidade digital, dizem que suas organizações cultivam parcerias com outras organizações para facilitar a inovação digital, apenas um terço das empresas em estágio inicial faz o mesmo.

Como é provado, podemos não perceber, mas a economia colaborativa já faz parte de nossas vidas. Os aplicativos de carona, compartilhamento de quartos e financiamento coletivo fazem parte dessa tendência. Até mesmo as wikis mostram como no futuro tudo será realizado em cooperação entre as pessoas. A base dessa ideia é não desperdiçar, os gastos são mais inteligentes e economizam recursos como dinheiro, tempo e espaço. E soluções como essas movimentarão 335 bilhões de dólares em 2025, de acordo com uma pesquisa recente realizada pela consultoria PwC. Mas a mudança é pra ontem, é hora de pensarmos em inovação e colaboração, de uma maneira onde as empresas assumam protagonismo e tenham estrutura e metodologia para fazer acontecer.

Como forma de acelerar esse processo e fomentar a colaboração, a consultoria 16 01 desenvolveu o DIGITAL SPRINT®, um workshop 100% digital que preserva a abordagem de design thinking e adapta as ferramentas para o trabalho remoto. 

A nova metodologia vem sendo aplicada junto aos clientes desde o início da pandemia, mas um exemplo particularmente interessante aconteceu em abril/2020 com uma mentoria colaborativa que contou com startups dos maiores hubs de inovação do país: Cubo Itaú, Inovabra e Google for Startups (Brasil), e com os head coaches Thaís Azevedo – Diretora de Marketing do Uber Eats Brasil, Leandro Esposito – Country Manager Waze Brasil e Suzane Almeida – Gerente de B2B AB InBev. Durante a jornada, foram explorados diversos caminhos possíveis, dentro do atual cenário de incertezas e desenvolvidas soluções que ajudam essas startups a navegar melhor por essa adversidade afim de aproveitar o momento para se fortalecerem e se prepararem para a retomada.

E aí, vamos fazer a inovação acontecer? 

A inovação cabe em qualquer tipo de business, tanto que os cases da 16 01 passam por diversas áreas do mercado como os cases recém realizados em gastronomia, para o restaurante Allma, primeira rede de comida flexitariana do país, que deve ser inaugurado na pós-pandemia, no Rio de Janeiro. E também um projeto de inovação que mapeou a jornada de compra de apartamentos e criou o Yuny Lab, o lab de inovação desenvolvido para a incorporadora Yuny. "O trabalho está só começando. E o modelo é não ter modelo", finalizam os sócios.

Sobre os sócios-fundadores da 16 01:

✔      Eduardo Paraske - Publicitário / Fundador da agência 16 01 - Ex-head de Marketing Latam – WAZE B2B e 14 Anos em Inovação e Marketing - Unilever, Outback, Samsung, Google.

●        AGILE COACH - PACC

●        Google Evangelist Omnichannel

●        Singularity University, Hyper Island, Kellogg on Branding

●        Mentor na Tera

●        Mentor do Google Campus

●        Na bagagem: Campanhas 360 para Unilever Dove. Lançou variantes de Dove. Lançou a maior promoção da história da Samsung (Galaxy Eleven), Campanhas 360 para Note 3 e Note 4. Foi executivo de negócios do Google pensando estratégias digitais para a Motorola, Apple, Lenovo, LG, Fast Shop. Desenvolveu e lançou o maior projeto de COOP do Google Brasil, Liderou o Marketing de Waze B2B na América Latina, desenvolvendo estratégia e campanhas de marketing para a empresa. 

✔      Léo Brazão - Publicitário / Fundador da agência 16 01 - Head de Digital, Inovação e
Inteligência de Mercado na BBI Brasil - 15 anos de experiência e atuação em insights, tendências, inovação e digital - IFF, Unilever, Outback, Bloomin`Brands.
Mentor de Startups / Google Launchpad

●        AGILE COACH– PACC e Parceiro Agile Trends

●        Facilitador e Expert na TERA

●        Palestrante e mentor em programas de aceleração de Startups

●        Alumni Hyper Island e TERA

●        MBA Gestão Empresarial Estratégica - FEA / Especialização em Marketing - ESPM

●        Na bagagem: Lançamento das linhas Dove e Lux Líquidos no Brasil; Lançamento de
OMO Líquido; Criação da Área de Digital, Inovação e Insights na BBI, Ideação e
Lançamento das maiores Campanhas do Outback: Ribs Festival, Encontro de
Favoritos e Fondue Outback; Responsável por lançar Abbraccio no Brasil.

Fonte: Maria Beatriz Cabañas

Próxima notícia

Dê sua opinião: