SAÚDE

Dermatologista dá dicas sobre cuidados com a pele em tempos de pandemia

O uso frequente de álcool gel e água e sabão para limpeza das mãos aumentou, por isso é preciso ficar alerta para prevenir doenças de pele


Dr. Yure Chaves

Dr. Yure Chaves Foto: Divulgação

Os cuidados com a saúde da pele devem ser constantes e sempre acompanhados por um especialista da área. De modo geral, a primeira recomendação é a utilização de protetor solar, indicado por um profissional que instruirá sobre o produto ideal para cada tipo de pele. Em tempos de pandemia da Covid-19, o uso frequente de álcool gel e bastante água e sabão para higienizar as mãos aumentou, por isso é fundamental estar atento a alguns cuidados para prevenir problemas.

Frente a esse cenário, higienizar as mãos não só é importante, como é o recomendado. O dermatologista do Grupo Med Imagem, Yuri Chaves, explica que as limpezas são imprescindíveis, mas acabam por remover a barreira de proteção natural da pele. "Essa barreira protege contra agressões, irritações e alergias, por exemplo. Quando usamos esses produtos de limpeza a removemos e, assim, ficamos muito mais suscetíveis a problemas como dermatites de contato, nas unhas e aumento de umidade entre os dedos, o que pode causar micoses, por exemplo", diz o médico.

Para evitar que problemas assim apareçam, é recomendado a consulta com um especialista que poderá indicar um hidratante para mãos, específico para seu tipo de pele. Outra recomendação importante é sempre secar bem as mãos, inclusive, entre os dedos, para evitar umidade acumulada. Ao sentir qualquer irritação na pele ou constatar ferimentos, procurar um dermatologista é o ideal.

Outra aliada indispensável para uma boa saúde da pele é uma alimentação balanceada, que não difere da recomendação para a manutenção de uma boa saúde de modo geral. "A alimentação é importantíssima para tudo. Falamos que somos o que comemos e isso é verdade. Temos que evitar industrializados e comidas com alto teor glicêmico. Precisamos comer mais alimentos naturais, como frutas, verduras e vegetais. Sempre alimentos com baixo teor de gordura. A máxima que sempre falam, e eu concordo, é que temos que abrir menos e descascar mais", orienta o Dr. Yuri Chaves.

A ansiedade é uma realidade que tem aumentado muito durante esse período de isolamento, que é necessário e fundamental para o achatamento da curva da transmissão do vírus. "A ansiedade traz diversas predisposições psíquicas. A pele é o segundo órgão onde temos mais somatização de sintomas. Quando passamos por grandes estresses, acaba que esses transtornos podem gerar sintomas na pele. Existe uma gama enorme de doenças que podem surgir, como as dermatites, por exemplo", pontua o dermatologista.

Especialista reforça a necessidade de acompanhamento profissional

O principal alerta, seja em tempos de pandemia ou períodos normais, é para a não realização de procedimentos de maneira autônoma, sem instruções específicas de profissionais que cuidam da saúde da pele. "Vemos situações que nos deixam realmente assustados. Vi um vídeo, certa vez, de uma pessoa leiga ensinando a como fazer preenchimento labial, e isso é realmente arriscado. São procedimentos médicos que têm riscos de necroses, por exemplo", ressalta Dr. Yuri.

Além disso, o especialista ainda frisa que frequentemente pessoas fazem recomendações de cremes em suas redes sociais, o que não é aconselhável, já que cada pele tem suas especificidades. "Esse aumento de indicações tem muita relação com o confinamento, porque muitas pessoas ficam mais tempo conectadas à internet. Existem diversas formas de se tratar a pele, então não há uma receita. É importante consultar o dermatologista para esse cuidado", finaliza.

Buscar um profissional é a melhor forma de cuidar bem do maior órgão que reveste nosso corpo. Para evitar os riscos de exposição ao novo coronavírus, hoje é possível contar com o atendimento de telemedicina, que permite consultas virtuais em diversas especialidades, entre elas, a dermatologia.

Próxima notícia

Dê sua opinião: