MULHER

CNJ conhece programas contra a violência doméstica

MPPI apresenta o Programa Reeducar de combate à violência contra a mulher


Representantes de instituições judiciárias no âmbito estadual e nacional.

Representantes de instituições judiciárias no âmbito estadual e nacional. Foto: R2

Com o objetivo de apresentar o programa Reeducar, o Ministério Público do Piauí (MPPI), através do Núcleo de Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (Nupevid), se reuniu, nesta sexta-feira (14), com representantes de instituições judiciárias no âmbito estadual e nacional.

Estiveram presentes a representante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e coordenadora estadual do programa Justiça Presente, Gabriela Lacerda; dos coordenadores da Central Integrada de Alternativas Penais da Secretaria de Justiça do Piauí (CIAP/Sejus), Jordache Silva e Geracina Melo; bem como da Diretora do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Tribunal de Justiça do Piauí (GMF/TJ-PI), Michelle Travassos, além da psicóloga do Nupevid, Cynara Veras e da Promotora de Justiça e coordenadora do Nupevid, Amparo Paz.

Entre as ações do MPPI apresentadas, estão também os projetos Papo na Obra, voltados à conscientização masculina do respeito por suas parceiras; e a cartilha Papo de Homem. Segundo Amparo Paz, o trabalho de prevenção deve ser feito junto a ambos os sexos para que o resultado seja eficaz.

"Nós estamos sempre lembrando as mulheres de seus direitos e dando assistência a elas, mas é preciso que haja uma mudança de pensamento por parte dos homens. Muitos deles são influenciados por uma cultura machista. A consequência disso são os vários casos que presenciamos diariamente de violência contra as mulheres", explica a promotora.


De acordo com a análise de Gabriela Lacerda, o debate do tema é fundamental para que a atuação das instituições tenha maior alcance. "É muito importante para nós, do CNJ, conhecermos as iniciativas do MPPI, pois o Justiça Presente é uma parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), que observa as boas práticas e experiências do sistema penal no país, buscando o seu aprimoramento", pontua.

O "Reeducar: o homem no enfrentamento à violência doméstica e familiar" é conduzido pela 10ª Promotoria de Justiça, órgão de execução do NUPEVID. Desenvolvida ao longo de nove módulos, um a cada mês, com homens que respondem judicialmente por estarem envolvidos em contexto de violência doméstica, a iniciativa busca promover a reflexão e consequente mudança de comportamento sobre a cultura machista e de desigualdade de gênero. Durante os módulos são trabalhados temas como: Lei Maria da Penha, papéis sociais de gênero e saúde do homem, que ajudam a desconstruir estereótipos sociais.


Já o "Papo na Obra" leva palestras e rodas de conversa a canteiros de obras de Teresina e região, visando à conscientização da categoria dos trabalhadores da construção civil sobre o machismo e redução dos índices de violência contra a mulher.

Fonte: R2

Próxima notícia

Dê sua opinião: