Censo 2022 trará dados inéditos sobre povos quilombolas no Piauí


Comunidades quilombolas

Comunidades quilombolas Foto:

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que em 2022, pela primeira vez, o questionário do Censo Demográfico contará com perguntas que possibilitarão conhecer as condições de vida das pessoas que vivem em áreas quilombolas. 

Segundo o IBGE, os serão levantados tendo como base estudos e normativas nacionais e internacionais. O intuito é fornecer subsídios para elaboração de políticas públicas direcionadas a atender às necessidades específicas dessa população.

Serão duas perguntas relacionadas ao tema: a primeira é "Você se considera quilombola?" e, em caso de resposta positiva, será questionado ainda "Qual o nome da sua comunidade?". "A partir das respostas a essas perguntas, o IBGE vai saber quantos quilombolas existem no Brasil e a quais comunidades pertencem. O Censo vai trazer uma realidade ainda desconhecida de muitos brasileiros", comenta a responsável técnica pelo projeto de povos e comunidades tradicionais do IBGE, Marta Antunes.

 As questões relacionadas a autoidentificação quilombola só abrirão em locais onde foi previamente detectada a presença dessa população, sejam em territórios oficialmente delimitados ou não. Para determinar quais seriam essas regiões, foi realizado um mapeamento nacional com a participação e consulta permanente às lideranças quilombolas nacionais, regionais e locais. Conforme Antunes, "a partir de todas essas informações, chegamos a 5.972 localidades quilombolas no país". 

No Piauí, foram identificadas 215 áreas de agrupamento quilombola em 73 municípios. A partir de 1º de agosto, recenseadores do IBGE vão a campo em todo o país. No Piauí, mais de 3 mil pessoas farão parte da força de trabalho diretamente envolvida com a operação censitária. Cerca de 900 mil domicílios serão visitados em todo o estado.

Eclipse total da Lua ocorre neste domingo

MP faz recomendações para que aulas da rede municipal voltem de forma integral

Próxima notícia

Dê sua opinião: