Valciãn Calixto lança clipe com participação da cantora Juliana D Passos; Confira!

Música homenageia Maria Conga, líder quilombola que virou falangeira na religião de Umbanda


Juliana D Passos (Macumbaria) e o piauiense Valciãn Calixto

Juliana D Passos (Macumbaria) e o piauiense Valciãn Calixto Foto: Montagem Piauihoje.com

O piauiense Valciãn Calixto inicia a semana com mais um single do seu próximo disco. ‘Ensinamentos da Preta Velha Vovó Maria Conga é a canção de encerramento do álbum Nada Tem Sido Fácil Tampouco Impossível, que tem previsão de lançamento para o dia 17 de agosto.


A música, que traz no título o nome de uma entidade da Umbanda, religião que Valciãn professa, conta com participação de Juliana D Passos, de Santa Catarina. A cantora está à frente do Macumbaria, projeto de inclusão social das religiões de matriz africana, da cultura negra, do folclore e tudo que a envolva.

Ao lado de Jotaerre, da Bahia e de Jeza da Pedra, do Rio de Janeiro, Juliana é a terceira convidada já apresentada através de singles desse novo trabalho que Valciãn vem mostrando aos poucos. O álbum trará ainda mais uma participação especial abrindo pontes e conexões com o Piauí, além de misturas rítmicas e experimentações sonoras.

Na canção lançada neste domingo (26), Valciãn interpreta um médium que recebe um aprendizado repassado pela preta velha Vó Maria Conga, que ganha voz e vida através da interpretação de Juliana D Passos.

Vovó Maria Conga

Maria Conga nasceu em 1792 e foi trazida à força do continente africano para o Brasil com oito anos de idade, junto de seus pais e irmãos. Ela atracou na Bahia, onde foi separada pelo resto da vida de sua família e batizada com o nome cristão Maria da Conceição. De lá foi levada para Magé, no Rio de Janeiro, onde foi vendida duas vezes.

Foto por Marília Saraiva | Coletivo Luz Negra The

Aos 35 anos ganhou a liberdade e decidiu assumir o compromisso de lutar por seu povo. Abandonou a fazenda onde vivia e fundou um quilombo em Magé. Perseguida por dar guarida aos escravos foragidos, Maria Conga ajudou a fundar vários outros quilombos na região da Baixada Fluminense e nunca chegou a ser capturada.

Além de líder dos negros, ela era parteira, doutora em ervas e defensora da autoestima negra. Faleceu aos 103 anos no ano de 1895 sem reencontrar sua família. No Centenário da Lei Áurea, em 1988, foi proclamada pela prefeitura de Magé a heroína da cidade.

Em 2007 o Ministério da Cultura, através da Fundação Palmares, reconheceu o Quilombo Maria Conga como um dos 24 quilombos do Rio de Janeiro e o único da Baixada Fluminense. Em 2020 foi tema da Escola de Samba Acadêmicos da Rocinha, que resgatou sua história e a apresentou na Marquês de Sapucaí para todo o Brasil. Hoje recebe essa singela homenagem do piauiense Valciãn Calixto.

Próxima notícia

Dê sua opinião: