CHUVAS

Famílias ribeirinhas de 12 bairros insistem em permanecer em áreas de risco

Algumas famílias foram transferidas para o Programa Família Solidária, entretanto muitas estão resistentes à mudança


Famílias insistem em permanecer em áreas de risco

Famílias insistem em permanecer em áreas de risco Foto: Divulgação

A Prefeitura de Teresina monitora famílias de 12 bairros que residem em áreas ribeirinhas e consideradas de risco, mas que ainda insistem em permanecer em suas casas. Equipes da Gerência de Habitação (GHAB) da Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU) Centro Norte estão realizando o monitoramento das famílias e já transferiram algumas para o Programa Família Solidária.

De acordo com a gerente de Habitação da SDU Centro Norte, Valmira Rodrigues,  é importante que essas famílias aceitem sair dessas áreas ribeirinhas. “Estamos preocupados com a segurança dessas pessoas, por isso conversamos com algumas lideranças comunitárias para que nos ajudem nesse trabalho de convencimento das famílias” disse.

Os bairros monitorados são Poti Velho, Água Mineral, Ferroviária, Mocambinho III, Monte Alegre, Leonel Brizola, Dilma Roussseff, Parque Alvorada, São Joaquim, Vila Apolônia, Mafrense e Nova Brasília.

Valmira ressalta que em alguns pontos o nível da água baixou, mas é preciso que haja a transferência das pessoas para evitar maiores problemas. “Estamos com as nossas equipes em estado de alerta 24 horas fazendo o monitoramento dessas áreas’, complementa.

O superintendente executivo da SDU Centro Norte, Márcio Sampaio, informou que a Prefeitura de Teresina colocou cinco caminhões à disposição para prestar toda a assistência e fazer a transferência dos moradores. “Estamos fazendo o monitoramento e nos colocando à disposição para fazer as mudanças, mas precisamos contar com a boa vontade das famílias”, disse.

Sampaio reforça que o monitoramento dos rios está sendo feito e já se percebe uma baixa no nível das águas, mas mesmo assim é preciso ficar atento. “Nossas equipes estão todos os dias em campo, fazendo vistorias e ajudando, da melhor forma possível, as famílias que estão em pontos de atenção”, informou.

Próxima notícia

Dê sua opinião: