ATENTADO

Bolsonarista Roberto Jefferson é indiciado pela PF por 4 tentativas de homicídio

Roberto Jefferson estava ainda com a licença de CAC suspensa


Veículo da PF atingido por disparos de Roberto Jefferson no domingo

Veículo da PF atingido por disparos de Roberto Jefferson no domingo Foto: REUTERS/Ricardo Moraes | Reprodução

247 - O ex-deputado federal bolsonarista e ex-presidente do PTB Roberto Jefferson foi indiciado por quatro tentativas de homicídio contra os agentes federais que cumpriam um mandado de prisão expedido contra ele pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, na tarde do domingo (23), informa reportagem do G1.

Jefferson disparou mais de 20 tiros de fuzil e jogou granadas contra os agentes. Dois policiais ficaram feridos na operação deflagrada no município de Comendador Levy Gasparian, interior do estado do Rio de Janeiro. 

O ex-deputado também terá que prestar explicações pelo fato da sua licença de Caçador, Atirador Desportivo e Colecionador (CAC) estar suspensa. Com isso, ele não poderia possuir ou transportar armas fora de Brasília, local em que a autorização foi registrada conforme o sistema do Exército, responsável pela concessão dos documentos.

Ex-deputado Roberto Jefferson está preso em Benfica

VÍDEO: Wellington repudia ataques de Roberto Jefferson ao STF e a policiais federais

Alexandre Moraes manda prender Roberto Jefferson e ele reage à prisão a tiros na PF
Por conta do descumprimento das normas previstas, o Exército abriu um processo administrativo e a Polícia Federal instaurou um inquérito criminal para apurar o caso. Ele também  descumpriu um decreto de Jair Bolsonaro que proíbe a posse de granadas por civis.

Ainda conforme a reportagem, Roberto Jefferson poderá responder pelos crimes de posse irregular de armas de fogo; calúnia, difamação e injúria; atentado contra a democracia; incitação à animosidade entre as Forças Armadas e os demais poderes e as instituições civis, além de tentativa de homicídio. 

Fonte: Brasil 247

Próxima notícia

Dê sua opinião: