HOMENGEM

Fides Angélica, 50 anos de Advocacia

No primeiro texto, lembrava o fato de Fides ser o nome de uma divindade feminina romana, a quem se atribui a personificação da palavra dada


Advogados Fides Angèlica e Alvaro Mota

Advogados Fides Angèlica e Alvaro Mota Foto: Divulgação

Cinco anos atrás, sob o título “Fides Angélica, uma homenagem” escrevi um texto, que, como se nota, tratava de prestar uma homenagem à advogada, procuradora do estado e professora Fides Angélica de Castro Veloso Mendes Ommati. Hoje, retomo por necessário o tema para mais uma vez homenagear essa mulher fundamental para a educação, o saber jurídico, a Advocacia e a Justiça em nosso Estado

No primeiro texto, lembrava o fato de Fides ser o nome de uma divindade feminina romana, a quem se atribui a personificação da palavra dada. Neste sentido, pode-se dizer que foi feliz a escolha do nome de nossa grande jurista, que se faz representar pela firmeza e consolidação de boas e positivas ideias.

O sentido de mais uma homenagem à doutora Fides é justo: neste ano de 2020 ela completa, na sexta-feira, 5 de junho, 50 anos como Advogada inscrita na OAB-PI. São cinco décadas de grandes e relevantes serviços prestados, de pioneirismo, de uma imensurável contribuição para a consolidação e expansão da Ordem dos Advogados e para gerações de advogados aos quais ela ajudou a formar.

Para celebrar a passagem da data o presidente da OAB-PI Celso Barros Coelho Neto realizará uma sessão extraordinária do Conselho Pleno da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do Piauí para exaltar o jubileu de sua inscrição na Ordem dos advogados, ocasião em que será aposta uma placa comemorativa, no prédio da OAB, por ela fundada e implantada, em reconhecimento aos relevantes serviços prestados a advocacia brasileira, especialmente a piauiense, cuja trajetória  impar é marcada por sua brilhante atuação no ensino jurídico e , sobretudo, em sua vitoriosa atuação classista.

O êxito pessoal e profissional forjados no trabalho e no estudo se firmou ainda em face de traços marcantes de sua personalidade. Fides Angélica é uma pessoa forte e determinada, inteligente, com uma solidez de ideias. Tem alma para o magistério, o que a fez uma mestra essencial na formação de advogados e na bem-sucedida fundação e condução da Escola Superior de Advocacia do Piauí, bem assim em seu mister de professora de Direito.

Mas certamente não foi fácil fazer-se, como já dito, uma pessoa fundamental. Afinal, em passado até recente, havia dificuldades ainda maiores para que as mulheres pudessem se destacar por seu trabalho. O mundo hoje, 50 anos após a inscrição de Fides Angélica como advogada na OAB-PI, é certamente muito melhor porque mais e mais mulheres exercem profissionais e ocupam espaços antes quase que exclusivamente dedicados a homens. Daí porque, o brilho do êxito de Fides deve ser ainda mais realçado.

É com prazer, portanto, que destaco o fato de ela ter sido a primeira mulher a presidir uma secional da OAB no Brasil – em 1987 – abrindo espaço para que mais advogadas pudessem exercer papéis de liderança na Advocacia, contribuindo de modo decisivo para quebrar tabus e preconceitos. Porém, o pioneirismo de sua Presidência não pode ser embargo à forma eficiente com que conduziu a OAB-PI, fortalecendo-a, fazendo respeitada e presente na vida dos advogados e da sociedade piauiense.

Ao tornar-se nossa líder na OAB-PI, Fides Angélica deu evidências de sua fé nas instituições, mas, para além disso, demonstrou enorme capacidade de trabalho. Isso fê-la ser por sucessivos mandatos Conselheira Federal da Ordem, onde coordenava com esmero a publicação anual do Estatuto e da Revista da OAB, além de ter-se tornado a primeira dirigente da Escola Nacional de Advocacia. O trabalho incessante e incansável nunca foi o bastante para afastá-la de sua fé cristã, que sempre praticou como uma fiel católica determinada.

A condição de liderança na Ordem não a deixou distante de suas funções profissionais, tampouco reduziu sua atividade literária e no ensino jurídico, como professora da Universidade Federal do Piauí. Produziu livros que a fizeram integrar a Academia Piauiense de Letras, ocupando a cadeira cujo patrono é o poeta Mário Faustino, que cedo se foi, mas deixou a poesia como uma força viva – talvez a mesma força que guiou Fides Angélica, fazendo-a iluminar caminhos para muitos, eu inclusive, devedor eterno de seus bons conselhos.

Álvaro Fernando da Rocha Mota é advogado. Procurador do Estado. Ex-Presidente da OAB-PI. Mestre em Direito pela UFPE. Presidente do Instituto dos Advogados Piauienses.

Próxima notícia

Dê sua opinião: