Artigos & Opinião

O novo imortal da APL


Macambira: primeiro livro

Macambira: primeiro livro Foto:

O governador Wellington Dias acaba de ser eleito membro da Academia Piauiense de Letras. Foi no último sábado (12), em segundo escrutínio, obtendo 22 dos 34 votos. Sua eleição repercutiu nas redes sociais. Enquanto poucos vibraram com a sua escolha, a maioria preferiu, por motivos políticos e ideológicos, espinafrar sem dó nem piedade. Em comum entre ambos, o desconhecimento da obra escrita por ele. Com as raras e honrosas exceções de sempre, bom destacar.

Por enquanto, são três livros lançados: Macambira (1995/Zodíaco), reeditado em 2020; Tiradas do Tio Sinhô (2007/Oficina da Palavra) e A Melancia do Presidente (2018/Quimera). Escreveu ainda, embora sem publicação, as peças Reizados da Minha Terra e Estamos Todos Inocentes. Sem falar da participação nas coletâneas O Conto na Literatura Piauiense (1981) e Novos Contos Piauienses (1984). Com o texto Maria, Valei-me (1984), recebeu menção honrosa no Concurso João Pinheiro de Contos, da secretaria estadual de Cultura.

Sobre Macambira, disparado seu melhor livro, bom ler o que disse Xico Sá, um dos mais respeitados jornalistas do país: "O escritor Wellington Dias domina a arte do conto e faz dos viventes das terras secas e dos arruados de Oeiras – a primeira capital do Piauí – criaturas de histórias universais. Para quem não é familiarizado com o interior do Nordeste brasileiro, são tipos que até parecem nascidos da imaginação de um autor da escola do realismo-fantástico".

Ouçamos agora o que falou Cineas Santos, professor e escritor, a respeito das Tiradas do Tio Sinhô: "No início de 2002, fui procurado pelo então deputado federal Wellington Dias. Veio mostrar-me os originais de um livrinho de crônicas ou causos, como ele prefere. Eram historietas engraçadas, tendo como personagem principal um certo Adrelino José Dias, mais conhecido como tio Sinhô. O livro me pareceu interessante".

Quanto ao terceiro livro, A Melancia do Presidente, a contista e poeta  Cláudia Manzolillo não poupou elogios, ela que é mestra em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ): "O resgaste da tradição oral, da conversa que se alonga e, gostosamente, conquista o ouvinte/leitor é o que nos trazem os textos de A Melancia do Presidente. O autor consegue, por meio de narrativas plenas de humor e ironia, cativar quem se enreda em seus contos. Gente simples e personagens conhecidos se misturam e, lado a lado, os "causos" relatam experiências características do ambiente regional, com sua linguagem própria e peculiar".

Dito isso, que tal dar uma passada nas livrarias de Teresina e adquirir, se não todos, pelo menos um dos livros de Wellington Dias? Assim deixamos os elogios estéreis e as críticas infundadas de lado, que nada constroem. E nunca esquecer que, numa disputa como essa, na Casa de Lucídio Freitas, a obra dos autores deve pautar, a despeito de qualquer coisa, a devida escolha. Ou não?

Se você quer escrever e expor suas ideias esse é seu espaço. Mande seu artigo para nosso e-mail (redacao@piauihoje.com) ou pelo nosso WhatsApp (86) 994425011. Este é um espaço especial para leitores, internautas, especialistas, escritores, autoridades, profissionais liberais e outros cidadão e cidadãs que gostam de escrever, opinar e assinando embaixo.
Próxima notícia

Dê sua opinião: