Geral

Agentes da Strans irão paralisar as atividades por 48 horas

Segundo o Sindserm, a suspensão das atividades é referente a falta de avanços reais nas negociações por parte da Prefeitura Municipal de Teresina
Fonte: Sindserm | Editor: Alinny Maria 16/01/2018 10:34
Agentes da Strans decidem por paralisação de 48h Agentes da Strans decidem por paralisação de 48hFoto: Sindserm

Os agentes da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) irão paralisar as atividades por 48 horas a partir desta quarta-feira (17). O anúncio foi feito pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (SINDSERM).

Segundo o Sindserm, a suspensão das atividades é referente a falta de avanços reais nas negociações por parte da Prefeitura Municipal de Teresina (PMT) em referência a melhores condições de trabalho, falta do reajuste salarial e o projeto de Plano de Carreira, Cargos e Salários.

A categoria explica que a Revisão Geral Anual dos Salários é prevista pelo artigo Nº 37 da Constituição Federal que garante o reajuste dos agentes de trânsito. Além disso, os trabalhadores lutam para o envio do projeto do Plano de Carreira, Cargos e Salários para votação na Câmara Municipal de Teresina (CMT) desde o ano passado. Em ofício enviado ao prefeito Firmino Filho (PSDB), o SINDSERM ressalta que enviou avaliações da pauta incluindo os impactos financeiros sem que a PMT apresentasse uma contraproposta.

Reuniões foram marcadas com os secretários de administração e de finanças que acabaram protelando os encontros com a categoria. “Por outro lado, embora nossa Comissão de Negociação tenha flexibilizado ao retirar do plano alguns pontos solicitados pela SEMA, não houve nenhum avanço por parte da administração municipal no sentido de enviar o Projeto para votação na Câmara Municipal”, diz o ofício do SINDSERM que informa sobre a paralisação.

O movimento ocorrerá na quarta e quinta-feira, dias 17 e 18. Na quinta-feira, a partir das 10h, haverá uma Assembleia Setorial em frente ao Palácio da Cidade para avaliar a continuidade das ações.

Comentários