ALTAMENTE CONTAGIOSA

Hospital Veterinário da UFPI fecha clínica após confirmação de mormo em cavalo

O garanhão pertencia a um haras e foi sacrificado. A clínica para animais de grande portes está interditada


Animal com mormo

Animal com mormo Foto: Reprodução

A Agência de Defesa Agropecuária interditou o Hospital Veterinário da Universidade Federal do Piauí depois do diagnóstico positivo para mormo em um garanhão. O cavalo pertencia a um haras em Teresina. O garanhão foi sacrificado depois que o exame feito para a doença foi confirmado.

Todos os animais de grande porte que estão nas baias vão passar por exames e poderão ser sacrificados caso se confirme a contaminação com o animal doente.

A clínica para animais de grande porte do HUV vai permanecer interditada. “Não podemos prever ainda o tempo de interdição, porque tudo vai depender dos resultados dos exames e diagnósticos que serão realizados”, confirmou o diretor da Adapi, Genilson Sobrinho.

Neste período nenhum animal entra ou sai da clínica. A Adapi vai fazer a desinfecção das baias neste intervalo.

O que é

O Mormo ou lamparão, é uma doença infecto-contagiosa dos equídeos, causada pelo Burkholderia mallei, que pode ser transmitida ao homem e também a outros animais. Manifesta-se por um corrimento viscoso nas narinas e a presença de nódulos subcutâneos, nas mucosas nasais, nos pulmões, gânglios linfáticos, pneumonia, etc. Os animais contraem o mormo pelo contato com material infectante do doente: pús; secreção nasal; urina ou fezes.

SINTOMAS: Os sintomas mais comuns são a presença de nódulos nas mucosas nasais, nos pulmões, gânglios linfáticos, catarro e pneumonia. A forma aguda é caracterizada por febre de 42ºC, fraqueza e prostração; pústulas na mucosa nasal que se transformam em úlceras profundas com uma secreção, inicialmente amarelada e depois sanguinolenta; intumescimento ganglionar e dispnéia.

CONTAMINAÇÃO: Acontece pelo contato com material infectante (pus, secreção nasal, urina ou fezes). O agente penetra por via digestiva, respiratória, genital ou cutânea (por lesão). O germe cai na circulação sanguínea e depois alcança os órgãos, principalmente pulmões e fígado.

TRATAMENTO: O mormo apresenta forma crônica ou aguda, esta mais freqüente nos asininos. Os animais suspeitos devem ser isolados e submetidos à prova complementar de maleina, sendo realizada e interpretada por um veterinário do serviço oficial. A mortalidade dessa doença é muito alta.

Atenção: Devem ser realizadas as seguintes medidas:

Notificação imediata à Defesa Sanitária

Isolamento da área da infecção e isolamento dos animais suspeitos

Sacrifício dos que reagiram positivamente à mesma prova de maleína

Cremação dos cadáveres no próprio local e desinfecção de todo o material que esteve em contato com eles

Desinfecção rigorosa dos alojamentos

Suspensão das medidas profiláticas somente 120 dias após o último caso constatado.

Bloqueio e suspensão do trânsito animal da propriedade

  

Fonte: ADAPI

Próxima notícia

Dê sua opinião: