COVID-19

Governador apresenta plano para retomada das atividades econômicas no Piauí

Empresas terão de se adaptar à realidade imposta pela Covid-19 e adotar medidas previstas no novo protocolo sanitário do Estado


Governador Wellington Dias

Governador Wellington Dias Foto: Reprodução

Cercando-se dos cuidados para conter o avanço da Covid-19 e ao mesmo tempo promover a retomada das atividades econômicas, o governo do Piauí está planejando a flexibilização das medidas restritivas adotadas para combater o novo coronavirus. Para tomada de qualquer decisão haverá, antes, uma consulta pública sobre o plano, que foi apresentado no início da tarde pelo governador Wellington Dias.

O plano foi elaborado por técnicos das secretarias de Planejamento e Saúde. Eles estão elaborando as normas e as recomendações, levando em conta os riscos epidemiológicos de todos os setores para retomada das atividades econômicas. Também estão criando um protocolo novo com medidas de higiene e sanitárias no estado.

O governo decidiu que a flexibilização será gradual e que as empresas terão de garantir as condições de segurança para os empregados e clientes. Terão de se adaptar às novas exigências impostas pela pandemia, como a instalação de pias e sinalizadores de distância.

A indústria da transformação, da construção civil, o comércio e as atividades agropecuárias deverão ser as primeiras a retomar as atividades, pois são os setores mais importantes para recuperação da economia.

Com a pandemia do novo coronavírus o isolamento social mostrou-se, mais uma vez, como a medida mais eficaz para conter a propagação do vírus. No entanto, provocou grande estrago na economia, agravando ainda mais a crise que já se arrasta há pelo menos cinco anos.

No Piauí, o isolamento para evitar o avanço da Covid-19 e o colapso no sistema de saúde, foi decretado em 19 de março, portanto, há 74 dias. O comércio, a indústria e a maioria dos serviços pararam. Só os essenciais ficaram em plena atividade.

Vários estudos apontam que o prejuízo das medidas restritivas foi geral. Mas elas foram corretas, porque, apesar do aumento do número de casos e mortes pela Covid-19, o sistema de saúde do Estado não entrou em colapso.

Para retomar as atividades econômicas, o governo vai impor regras, a partir de pressupostos básicos, como controle da transmissão e da importação do vírus, minimização da possibilidade de surto de contaminação em alguns lugares e medidas preventivas.

O governo terá de fazer campanhas de conscientização da população sobre os riscos da doença, barreiras sanitárias e o monitoramento constante dos casos, com notificação imedita às autoridades de saúde.

O planejamento dos técnicos do Estado segue as recomendações da Organização Mundial de Saúde - OMS, e estudos de científicos encomendados por instituições privadas, filantrópicas e organizações governamentais, como o Consórcio dos Estados do Nordeste.

O plano está quase pronto e deve ser  apresentado pelo governador Wellington Dias, no início da próxima semana, aos comitês científicos e de gestão para enfrentamento ao novo coronavírus, do quais, além de técnicos do Estado, participam representantes dos demais poderes e da sociedade civil.

Nesta segunda-feira (01), Wellington Dias participou de reunião com o secretário de Planejamento, Antônio Neto, e servidores que estão elaborando o documento e deu as diretrizes para conclusão do trabalho.

A ideia do governador é criar um programa para a retomada organizada da atividade econômica do estado e tentar diminuir os prejuízos causados pelo novo coronavirus. Mas o início do relaxamento das medidas restritivas ainda não tem dada marcada.

Próxima notícia

Dê sua opinião: