Franzé defende mobilização contra reforma da Previdência

Onze partidos reagiram ao fim da aposentadoria rural e Benefício de Prestação Continuada


Deputado estadual Franzé Silva (PT)

Deputado estadual Franzé Silva (PT) Foto: PAULO PINCEL/PH

O deputado Franzé Silva (PT) afirmou que os primeiros resultados da luta da população urbana e rural contra a aprovação da reforma previdenciária estão sendo vistos agora. “Ontem, líderes de onze partidos assinaram um documento contra o fim da aposentadoria rural e as modificações do Benefício de Prestação Continuada, o BCP. O povo não aceita a reforma administrativa do jeito que ela está”, disse. 

Para ele, esses primeiros resultados dão alegria e esperança àqueles que não aceitam uma reforma que causa prejuízos aos trabalhadores rurais e tira direitos dos mais pobres. Segundo afirma, em muitos municípios do Nordeste, especialmente no Piauí, esses recursos oriundos desses benefícios são maiores que os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

“Isso é uma aberração do governo Bolsonaro, um absurdo. É uma economia de pirulito que propõe a redução do BPC para apenas R$ 400. Queria ver o ministro Paulo Guedes sobreviver durante um mês com R$ 400. E quero aproveitar essa oportunidade para pedir a todos os deputados que se unam a essa luta e pressionem o Congresso Nacional contra essa reforma”, frisou.

Franzé Silva registrou também a aprovação, por unanimidade, da reforma administrativa proposta pelo governo estadual e agradeceu os votos de todos os deputados, inclusive os de oposição. Ele disse que isso ocorreu porque o governador Wellington Dias teve a capacidade de ouvir todos os deputados, sem exceção, e a partir disso fazer as modificações apontadas pelos parlamentares.

Ele informou que o projeto segue agora para a sanção do governador e seus resultados poderão ser vistos dentro de poucos dias. “Todos pensaram nos benefícios que a reforma vai trazer e tiveram a compreensão de que ela precisava ser aprovada”, finalizou.

Fonte: Alepi

Próxima notícia

Dê sua opinião: