PARQUE BRASIL

Travesti é amarrada, espancada e torturada na zona Norte de Teresina

Os guardas municipais estão sendo acusados de transfobia


Travesti é amarrada e espancada em Teresina

Travesti é amarrada e espancada em Teresina Foto: Print do vídeo

Uma travesti que não teve o nome revelado, foi amarrada com uma corda, espancada e colocada dentro do porta-malas de um carro nessa segunda-feira (19) no residencial Parque Brasil III, na zona Norte de Teresina. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra parte da ação.

De acordo com informações de populares, a travesti foi flagrada furtando apartamentos na região e foi contida por moradores. A travesti aparece no vídeo com os pés amarrados e sendo entregue para os policiais e guardas municipais.

O vídeo foi publicado no perfil da Associação Nacional de Travestis e transexuais (ANTRA), no Instagram, e gerou grande repercussão. Segundo a Antra, logo em seguida a travesti foi colocada no porta-malas de um carro e submetida a espancamento e tortura por um grupo de homens.

"À vítima foi amarrada e espancada. Jogada no chão e a guarda municipal não tomou nenhuma atitude para impedir a tortura. Exigimos uma resposta imediata para identificar e responsabilizar os envolvidos nessa barbárie. É inadmissível a espetacularização da violência contra pessoas trans de forma pública e aceita de forma naturalizada por quem assiste passivamente esse horror!", disse a entidade.

A ANTRA ainda acusa a os a guarnição da Guarda Municipal de Teresina que atendeu a ocorrência de transfobia por omissão na forma como conduziu o caso. Os guardas municipais presenciaram a travesti sendo jogada no chão e não tomaram nenhuma atitude. 

Por fim, a ANTRA disse que já enviou as informações para os órgãos responsáveis e que estão acompanhando o caso. Veja o vídeo:




Guarda Municipal se pronuncia

A Guarda Civil Municipal de Teresina (GCM) emitiu uma nota para esclarecer o fato. Segundo a nota, a equipe encontrou no local uma travesti amarrada, suspeita de furtar apartamentos na região. Após ouvir os envolvidos, os membros da corporação que acompanhavam a ocorrência orientaram que o suposto agressor a desamarrasse.

A GCM disse ainda que a travesti foi algemada e, juntamente, com o suposto agressor, foram conduzidos à Central de Flagrantes de Teresina para apuração do caso.

"Sobre um vídeo em que a travesti aparece sendo espancada no porta-malas de um carro, a GCM não presenciou o fato, uma vez que chegou ao local posteriormente. Em hipótese alguma, a Guarda Civil Municipal de Teresina defende que seja feita Justiça com as próprias mãos. Por fim, o comando da GCM vai avaliar se houve falhas no procedimento", disse a Guarda Municipal por meio de nota.

Próxima notícia

Dê sua opinião: