RETORNO

Retomada comercial aquece o mercado de comunicação visual

A comunicação visual tem um papel importante na retomada do comércio e aquece toda a cadeia do setor, das agências de publicidade e merchandising, as gráficas e indústrias de insumos necessários


Comércio

Comércio Foto: Reprodução

Ficar em casa é necessário, mas iniciou o momento da gradativa retomada comercial. Olhar para o mercado internacional, identificar meios que facilitem a caminhada econômica e segura é um exercício necessário para os empresários brasileiros, que também devem ficar atentos as exigências do governo referentes a comunicação visual necessária e que reforçam os procedimentos para o distanciamento social durante os atendimentos presenciais nos estabelecimentos.

Por isso é tão necessário utilizar o atual momento para traçar estratégias e medidas para a retomada gradual da economia, das atividades empresariais, industriais e comerciais. De acordo com nota divulgada pela FECOMERCIO um dos itens indicativos para empresas abertas ou que estão se programando para a abertura é: “Divulgar internamente e externamente sobre a importância de se prevenir do coronavírus”. Momento de extrema importância para o mercado de comunicação visual que terá papel fundamental na reabertura econômica do país, fornecendo materiais para o comércio, indústrias e empresas que sinalizem as medidas necessárias de prevenção.

Para Liliane Bortoluci, diretora da FuturePrint, feira percursora e palco para negócios e networking na área da comunicação visual e indústria serigráfica, o setor que já passou por uma série de evoluções nas áreas de serigrafia, sign e têxtil, possui uma conexão com o reinventar que novamente terá que ser fazer presente. “Em 2006, quando entrou em vigor a lei que proibia outdoor na cidade de São Paulo e em 2007, com o complemento da Lei Cidade Limpa, seguida por diversos municípios, o setor de comunicação visual foi obrigado a passar por uma grande transformação. As indústrias e empresas de comunicação visual tiveram que se adaptar. Hoje, por outras circunstâncias e demandas, enxergamos a mesma necessidade, é preciso novamente pensar nas estratégias que obrigatoriamente serão seguidas por todas as empresas na retomada comercial. A comunicação visual a favor do distanciamento mínimo, da higiene, do uso de máscaras e álcool gel, deverá constar em todo e qualquer estabelecimento, seja comercial, industrial ou empresarial. Para esse movimento acontecer, investimentos em boa comunicação visual informativa serão feitos, com isso a cadeia produtiva do setor entra no processo econômico de retomada”.

Na linha de frente do setor estão as agências e as empresas de comunicação visual ofertando seus serviços e produtos diferenciados que serão necessários para as reaberturas do comércio e dos serviços, provocando uma retomada que faz girar todo esse setor da economia. Como case, destaca-se a Imprimax, que trabalha com comercialização de vinis para comunicação visual e outros setores, e que passou pelo trimestre sem prejuízos. De acordo com Cleber Orsioli, atual Gerente de Marketing da empresa, o consumo de materiais específicos para sinalização de distanciamento social, tais como os antiderrapantes para impressão digital, se mantiveram em consumo, mesmo durante o período em que as revendas físicas estavam fechadas. “Lançamos mais de cinquenta novos produtos entre maio e junho deste ano, além de termos investido em equipamentos de produção, devido à demanda. Acreditamos que tal movimento, onde há o flerte entre projetos de comunicação e decoração de ambientes, pode ser mais uma solução para o mercado. Com as lojas se abrindo, esse gráfico pode aumentar ainda mais”, completa Orsioli.

Já a VP Máquinas, fabricante de equipamentos e máquinas dobradeiras de acrílico e termoplásticos, muito utilizados para expositores, faixa de gôndola, display de balcão entre outras funções em diversos mercados, também conseguiu se reinventar e investir nesses últimos meses. “Entregamos para muitos clientes os arquivos em vetor para que pudessem fabricar e para aqueles que não podiam abrir as portas das empresas, oferecemos a terceirização da fabricação dos produtos em acrílicos, facilitando a comercialização. Hoje, além de não dispensarmos nenhum colaborador, tivemos que chamar reforços para dar conta da demanda. Baixamos nossa margem de lucro, dando margens maiores para outras empresas trabalharem e atenderem diretamente seus clientes já cativos. As vendas de equipamentos para o mercado de comunicação visual estão aquecidas e nosso apoio à rede de clientes está surtindo resultados gratificantes, não só monetariamente, mas também estreitando relacionamentos e fortalecendo ainda mais as parcerias”, diz Ana Paula Paschoalino Freitas, diretora comercial da empresa.

No processo de se reinventar, a VP Máquinas começou a produzir e vender diversas máquinas de dobra, necessárias na fabricação de divisórias e cúpulas de contenção para intubação, extremamente importante para abrir novas oportunidades de negócio com clientes que não constavam no radar de prospects. Como exemplo de sucesso citam a parceria com a Marinha do Rio de Janeiro. “Entramos em contato com a Marinha para adquirirmos treinamento preparatório para a fabricação de cúpulas para intubação, também chamadas cúpulas para proteção antiviral. E como diversas empresas, a VP Máquinas também aproveitou a sua expertise para contribuir socialmente com esse novo momento. “Em parceria com fabricantes de acrílicos e transformadoras, foi feita uma campanha com a colaboração da Unigel, Sinteglas, Cristal & Cores, que doaram material suficiente para a construção de cinco mil cúpulas, equipamentos que colocados nos leitos dos hospitais, ao redor da cabeça do paciente, fazem a vedação das vias aéreas na hora da intubação dos pacientes infectados pelo Covid-19, reduzindo significativamente o risco de contaminação dos profissionais da saúde. Outra ação conjunta entre nossos clientes foi a fabricação e doação de mais de 2.000 máscaras de contenção fabricadas com acrílico.

O papel da comunicação visual é estratégico na consolidação de uma vinculação de cunho informativo e afetivo com as marcas e corporações, quanto mais assertivo e proativo, mais rápida acontece a geração de capital, para isso é fundamental dar atenção às normas vigentes, estabelecer sintonia da marca ou produtos com as necessidades atuais e manter a conexão com os públicos de interesse.  

Alguns exemplos já oferecidos por agências de publicidade, birôs de impressão, gráficas, designers gráficos, empresas de comunicação visual e cenografia, são materiais visuais como banners e placas, que abordam a conscientização e sinalização de ambientes, da importância no uso de máscaras, lavagem e secagem correta das mãos, adesivos de distanciamento, entre outros produtos que devem ser oferecidos aos comerciantes.

Um bom exemplo é o da gráfica online FuturaIM, que criou um kit de comunicação visual composto por diversos adesivos, de piso, informativo, para lavabo, banner, cartaz, display e wobbler, que sinaliza, informa e ao mesmo tempo, tranquiliza o público. Com uma produção rápida para atender a demanda de urgência dos clientes que precisam fixar materiais de sinalização com a agilidade dos materiais à pronta-entrega, produziram inicialmente 10 mil kits e estão na expectativa de dobrar esse número, vendas que já somam 10% do faturamento da gráfica. “O cenário era difícil não só para a indústria gráfica, mas afetou toda a economia brasileira. Passamos por momentos delicados, porém sempre criamos estratégias e acreditamos em dias melhores. Agora, com a retomada das atividades, não só do kit de sinalização que é fundamental para nossos clientes, mas também aumentou a procura por folhetos, folders, cartões de visita, banners e outros impressos”, diz Wellington Luiz, diretor comercial da gráfica FuturaIM.

As grandes redes varejistas também estão investindo na comunicação visual das lojas e nos caixas, placas de acrílico complementam a necessidade de isolamento entre atendimento e o cliente. Outro acessório de comunicação visual que está sendo bastante utilizado pelo comércio é o display para álcool gel, que além de informativo, possibilita a operação de higienizar as mãos utilizando um pedal para função.

Liliane Bortoluci, diretora da FuturePrint, acrescenta que dentro das possibilidades existentes, a hora é de ser proativo. “Não espere o comércio encomendar seu produto, ofereça, ligue, envie e-mail, faça pacotes de produtos necessários, isso vale para as grandes, médias e pequenas empresas, olhe quem são os varejistas da sua cidade, do seu bairro e ofereça. Para a reabertura das lojas, a comunicação visual informativa terá obrigatoriamente que existir, é uma grande oportunidade de estar ativo economicamente e contribuindo para que o comércio se ajuste as novas regras sociais impostas pelo covid-19”.

 

FuturePrint

Organizada pela Informa Markets, uma das maiores promotoras de eventos e feiras de negócios do país, a FuturePrint 2020 trará para a capital paulista 40 mil visitantes, mais de 650 marcas expositoras em uma área de 35 mil metros quadrados para comemorarem juntos 30 anos de desenvolvimento do mercado. 

Serviço

FuturePrint

Local: Expo Center Norte – São Paulo – SP

De: 24 a 27 de novembro (de terça a sexta-feira)

Horário: das 13h às 20h 

Sobre Informa Markets

A Informa Markets cria plataformas para indústrias e mercados especializados para fazer negócios, inovar e crescer. Nosso portfólio global é composto por mais de 550 eventos e marcas internacionais, sendo mais de 30 no Brasil, em mercados como Saúde e Nutrição, Infraestrutura, Construção, Alimentos e Bebidas, Agronegócio, Tecnologia e Telecom, Metal Mecânico, entre outros. Oferecemos aos clientes e parceiros em todo o mundo oportunidades de networking, viver experiências e fazer negócios por meio de feiras e eventos presenciais, conteúdo digital especializado e soluções de inteligência de mercado, construindo uma jornada de relacionamento e negócios entre empresas e mercados 365 dias por ano.  

Fonte: Carolina Rubinato

Próxima notícia

Dê sua opinião: