PESQUISA

Piauí é o estado do Nordeste com maior taxa de mulheres desempregadas

De acordo com a pesquisa, apenas 29,3% das mulheres piauienses estavam empregadas formalmente no último trimestre de 2019


Desemprego

Desemprego Foto: Divulgação

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgou dados sobre a inserção de mulheres no mercado de trabalho referentes ao quarto trimestre de 2019. Segundo os infográficos divulgados, dentre os Estados do Nordeste o Piauí apresentou a menor taxa de mulheres ocupadas com carteira de trabalho assinada.

De acordo com a pesquisa, apenas 29,3% das mulheres piauienses estavam empregadas formalmente no último trimestre de 2019. O estado de Alagoas figurou com o melhor índice, de 44,2%.

  • Foto: Divulgação/AscomDados do DieeseDados do Dieese

Conforme os números apontados pelo Dieese, a taxa de desocupação de mulheres piauienses é de 13,7%. A nível nacional, a taxa de desemprego de mulheres é 13,1%, maior que a dos homens, de 9,2%. Quando a pesquisa foi realizada, 37% das mulheres desempregadas estavam procurando trabalho há mais de um ano.

Diferença de rendimento

Dados colhidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgados pelo Dieese apontam que, no Piauí, mulheres receberam 14% a menos do que homens. No Brasil, o rendimento mensal médio das mulheres foi 22% menor do que o dos homens.

Nos últimos três meses de 2019 foi levantado que, em relação às pessoas com emprego formal, a cada 10 com cargos de chefia, quatro eram mulheres, contudo, o rendimento delas foi 29% menor.

Previdência social

Em relação a proporção de mulheres ocupadas que não contribuíram com a Previdência Social, o Piauí também teve o pior índice dentre os Estados nordestinos: 59,9% das mulheres com algum tipo de trabalho não contribuíram no 4º trimestre de 2019.

Divisão de tarefas domésticas

No período já citado, mulheres gastaram 95% mais tempo em afazeres domésticos do que os homens. Em média, foram 541 horas a mais por ano, equivalente a 68 dias, considerando uma jornada de 8 horas por dia.

Falta de creches tira mulher do mercado

O Dieese levantou que 67% das mulheres com filhos matriculados em creche tinham emprego remunerado. Por outro lado, das mulheres que não tiveram acesso à creche, somente 41% estavam trabalhando.

Confira os infográficos:

  • Foto: Divulgação/AscomDados divulgados pelo DieeseDados divulgados pelo Dieese
  • Pesquisa sobre a inserção das mulheres no mercado de trabalho
  • Pesquisa sobre a inserção das mulheres no mercado de trabalho

Fonte: Dieese

Próxima notícia

Dê sua opinião: