COVID-19

3,6 milhões de pessoas com sintoma associado à síndrome gripal procuraram algum estabeleci

Cerca de 1,1 milhão de pessoas procuraram atendimento em hospital, público ou particular


Teste para detectar infecção por coronavírus

Teste para detectar infecção por coronavírus Foto: Divulgação

Na semana entre 24 e 30 de maio de 2020, a PNAD COVID19 do IBGE estimou que 22,1 milhões de pessoas (ou 10,5% da população) apresentavam pelo menos um dos 12 sintomas associados à síndrome gripal (febre, tosse, dor de garganta, dificuldade para respirar, dor de cabeça, dor no peito, náusea, nariz entupido ou escorrendo, fadiga, dor nos olhos, perda de olfato ou paladar e dor muscular) que são investigados pela pesquisa. Esse contingente ficou estatisticamente estável frente à semana anterior (22,7 milhões ou 10,8% da população) mas diminuiu comparado às semanas de 10 e 16 de maio (24,7 milhões ou 11,7 %) e de 3 a 9 de maio (26,8 milhões ou 12,7%).

Cerca de 16,4% daqueles que apresentaram sintomas (ou 3,6 milhões de pessoas) procuraram estabelecimento de saúde em busca de atendimento (postos de saúde, equipe de saúde da família, UPA, Pronto Socorro ou Hospital do SUS ou, ainda, ambulatório /consultório, pronto socorro ou hospital privado). Esse contingente ficou estatisticamente estável em relação à semana anterior (3,8 milhões ou 16,9%) e, também, frente às semanas de 10 a 16 de maio (3,9 milhões ou 15,8%) e de 3 a 9 de maio (3,7 milhões ou 13,7%). Mais de 80% destes atendimentos foram na rede pública de saúde.

Cerca de 1,1 milhão de pessoas procuraram atendimento em hospital, público ou particular, na semana de 24 a 30 de maio. Entre elas, 127 mil (11,7%) foram internadas.

Entre as pessoas que apresentaram sintomas, mas não foram a um estabelecimento de saúde, 82,4% tomaram a providência de ficar em casa e 58,6% compraram ou tomaram remédio por conta própria. Apenas 4,8% ligaram para algum profissional de saúde e 13,3% compraram ou tomaram remédio por orientação médica.

A PNAD COVID19 estimou em 84,4 milhões a população ocupada do país na semana de 24 a 30 de maio. Entre esses, 8,8 milhões (ou 13,2% dos ocupados) trabalhavam remotamente e 14,6 milhões (17,2%) estavam afastados do trabalho devido ao distanciamento social.

Por outro lado, no mesmo período, a população fora da força de trabalho (que não estava trabalhando nem procurava por trabalho) era de 74,6 milhões, dos quais 25,7 milhões (ou 34,4%) disseram que gostariam de trabalhar. Essa proporção permaneceu estatisticamente estável nas quatro semanas analisadas. Além disso, parte expressiva (68,9% ou 17,7 milhões) das pessoas fora da força que não procuraram trabalho, não o fizeram por causa da pandemia ou por não encontrarem uma ocupação na localidade em que moravam.

Entre a primeira e a quarta semana do mês, dos 12 sintomas pesquisados pela PNAD COVID19, quase todos apresentaram redução, exceto a febre e a perda de olfato ou paladar.

O sintoma mais frequente, foi a dor de cabeça, informado por 4,9% da população, ou 10,2 milhões de pessoas na semana de 24 a 30 de maio. Nariz entupido ou escorrendo (3,9%) e tosse (3,1%) vinham a seguir. A dificuldade de respirar foi referida por 1,6% das pessoas na primeira semana e por 1,4% na quarta semana, enquanto a febre, por 2,5% e 2,3%, respectivamente, nessas semanas. A perda de cheiro ou de sabor foi referida por 1,8% da população na última semana do mês.

43,6% das pessoas com sintomas procuraram postos de saúde da rede pública

Outro aspecto pesquisado pela PNAD Covid-19 foi o tipo de estabelecimento de saúde procurado para tratamento do sintoma da síndrome gripal, podendo a pessoa ter procurado mais de um estabelecimento na semana de referência. Na quarta semana de maio, 43,6% das pessoas que procuraram assistência em estabelecimento de saúde o fizeram em posto de saúde, Unidade Básica de Saúde (USB) ou procuraram Equipe de Saúde da Família; 23,4%, em pronto socorro do SUS/UPA; 17,3%, em hospital do SUS; 12,8%, em hospital privado ou ligado às forças armadas; 9,4%, em ambulatório ou consultório privado ou ligado às forças armadas; e 3,6%, em pronto socorro privado ou ligado às forças armadas. Mais de 80% desses atendimentos foram na rede pública de saúde.

Nas quatro semanas analisadas, população desocupada cresceu 10,8%

A PNAD COVID19 estimou em 84,4 milhões a população ocupada do país na semana de 24 a 30 de maio. Na tabela mais abaixo, temos as variações deste e de outros contingentes do mercado de trabalho ao longo das quatro semanas analisadas.

Nesse período, o contingente de pessoas desocupadas passou de 9,8 milhões, na semana de 3 a 9 de maio para 10,9 milhões, na semana de 24 a 30 de maio, uma variação de 10,8%. O contingente de pessoas ocupadas também ficou estável, no mesmo período. Enquanto isso, a força de trabalho cresceu 1,6% e a população fora da força teve uma redução de 2,1%.

14,6 milhões de pessoas foram afastadas do trabalho pelo isolamento social

Entre os 84,4 milhões de trabalhadores estimados pela PNAD COVID19, 14,6 milhões (ou 17,2% da população ocupada) estavam afastados do trabalho devido ao isolamento social. Na primeira das quatro semanas cobertas, até agora, pela PNAD COVID19, esse contingente era de 16,6 milhões (ou 19,8% dos ocupados). No período analisado, houve uma redução de 2,0 milhões de pessoas nessa condição.

A pesquisa também estimou que 13,2% da população ocupada (ou 8,8 milhões) estavam trabalhando de forma remota na última semana analisada, contra 13,4% (ou 8,6 milhões) na primeira semana.

Por outro lado, no mesmo período, a população fora da força de trabalho (que não estava trabalhando nem procurava por trabalho) era de 74,6 milhões, dos quais 25,7 milhões (ou 34,4%) disseram que gostariam de trabalhar.

Além disso, cerca de 17,7 milhões de pessoas (ou 23,7% da população fora da força) não procuraram trabalho por causa da pandemia ou por não encontrarem uma ocupação na localidade em que moravam. Na primeira semana analisada, esse contingente chegava 19,1 milhões de pessoas (25,1%).

Fonte: Ascom IBGE

Próxima notícia

Dê sua opinião: