Blog do Brandão
CRESCIMENTO

Equilíbrio das contas é grande legado dos governos do PT no Piauí, diz Rafael Fonteles

A dívida do estado vem diminuindo ano a ano e o poder de captar recursos externo aumenta


Rafael Fonteles

Rafael Fonteles Foto: Divulgação/Governo do Piauí

"Um dos maiores legados do governo petista no Piauí é o equilíbrio das contas públicas", diz o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles, durante as reuniões que tem participado com lideranças políticas e empresariais do estado.

Segundo ele, o estado avançou mesmo diante de todas as adversidades e barreiras impostas pelo Governo Bolsonaro e os aliados políticos dele no Piauí. "Apesar de tudo isso ficamos praticamente independentes do governo federal", afirma Rafael.

Para o secretário, com o controle das dívidas e das contas, o governo do Piauí possui atualmente o menor endividamento de sua história. Isso só foi possível porque o Estado, mesmo contraindo operações de crédito, tem pago suas dívidas no prazo certo.

Segundo dados da Secretaria de Fazenda, ao longo dos últimos anos o Executivo Estadual  vem reduzindo a dívida consolidada em relação à Receita Corrente Líquida (RCL).

Em 2006, a relação dívida com a RCL chegava a 84,69%. Em 2016 esse percentual caiu para 45,17%. A Resolução nº 40/2001 do Senado Federal diz que a dívida do Estado não poderá ultrapassar duas vezes a RCL, ou seja, 200% dela.

“Como o valor da Receita Corrente Líquida no ano de 2016 foi de 7.578.980 bilhões, isso significa dizer que a Dívida Consolidada Líquida foi de R$ 3.423 bilhões no ano passado, sendo que o Estado do Piauí ainda tem margem para fazer empréstimos no valor de R$ 11,7 bilhões”, explica o Superintende do Tesouro Estadual, Emílio Júnior. 

As operações de crédito garantem ao Piauí a possibilidade de fazer investimentos. No ano passado, por exemplo, o Estado ocupou o 3º lugar no país entre as unidades da federação que mais realizaram investimentos. Foram aplicados 10,7% da RCL em investimentos.

"O Estado está contratando novas operações de crédito, mas, ao mesmo tempo, está amortizando parcelas de outras operações e está aumentando a sua receita. Por isso o endividamento está diminuindo ano a ano", garante o secretário Rafael Fonteles.

Foram investidos R$ 854 milhões em 2016, sendo que a maior parte destes recursos, R$ 736,5 milhões, foi aplicada em obras como Rodoanel, Elevado da Miguel Rosa, dentre outras.

Próxima notícia

Dê sua opinião:

Sobre a coluna

Luiz Brandão

Luiz Brandão

Luiz Brandão é jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí. Está na profissão há mais de 35 anos. Já trabalhou em rádios, TVs e jornais. Foi repórter das rádios Difusora, Poty e das TVs Timon, Antares e Meio Norte. Também foi repórter dos jornais O Dia, Jornal da Manhã, O Estado, Diário do Povo e Correio do Piauí. Foi editor chefe dos jornais Correio do Piauí, O Estado e Diário do Povo. Atualmente é diretor de jornalismo do portal www.piauihoje.com

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Enquete