Educação

Uespi oferece vagas de especializações em áreas da educação inclusiva

As inscrições começaram no dia 01 e podem ser feitas pelo site do Nucepe até o dia 23.
Fonte: Governo do Piauí | Editor: Redação 13/03/2018 11:11
Uespi Picos Uespi PicosFoto: Universidade Estadual do Piauí - Campus de Picos

Visando atender uma crescente demanda do mercado de trabalho, a Universidade Estadual do Piauí (Uespi) abriu 1.345 vagas para 30 cursos de pós-graduações lato sensu este ano. Entre as especializações ofertadas, temas importantes são discutidos dentro da área educacional, como a inclusão social no ensino escolar, o autismo e a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Diferente de alguns anos atrás, atualmente uma pessoa autista ganha novas oportunidades de aprendizagem. A terapia diária e o conhecimento ajudam a ter um resultado mais satisfatório. Pensando nisso, a instituição ofertará a especialização de Análise do Comportamento Aplicada ao Autismo. O coordenador do curso, Dyego de Carvalho, explica que a universidade é também responsável por abordar questões sociais, sobretudo, na área da formação do profissional em autista.

“Estudo análise do comportamento há 15 anos. Quando fiz o doutorado sanduiche nos EUA, vi que na graduação em análise do comportamento tinham seis disciplinas apenas sobre o autismo. Nas graduações brasileiras não há nenhuma. Como os cuidados tendem a ser especializados, porém individualizados, cabe à universidade oferecer momentos de treino destes profissionais na área que tem colhido grandes resultados”, afirma o coordenador.

Dyego acentua ainda que a especialização visa à prática profissional. “Uma das principais críticas da minha área quanto ao ensino é que ele é extremamente bancário. Teórico. Essa especialização vai possuir prática profissional supervisionada e todas as disciplinas possuirão prática simulada, para, de fato, treinar novos repertórios nos terapeutas das diversas áreas”, destaca Carvalho.

Já, o tema da especialização Educação Inclusiva e Estratégicas de Ensino procura maneiras voltadas para a entrada, permanência e progressão do aluno na escola em igualdade de direitos, como afirma a coordenadora do curso, Nadja Pinheiro. “Nosso foco é trabalhar disciplinas que abordam desde a parte de política, as formas de avaliação, estratégias de ensino e tudo que tiver de mais atual na área, para capacitar os profissionais para trabalharem com alunos com a perspectiva colaborativa”, afirma a professora.

Segundo a docente, na análise do comportamento, o básico da especialização é o procedimento de ensino, independente do diagnóstico e da demanda que o aluno tenha. “É importante estabelecer um procedimento de ensino que seja eficaz à necessidade dele”, comenta a professora.

Uma outra especialização é Língua Brasileira de Sinais, que é utilizada por pessoas com deficiência auditiva para a comunicação entre eles e também entre surdos e ouvintes. Apesar de ser uma língua nacional e imposta ao Brasil, atualmente, ela ainda enfrenta dificuldades para conseguir espaços na área de ensino.

Pensando nisso, a coordenadora da especialização, Conceição Mendes, diz que o objetivo do curso é proporcionar aprofundamentos e experiências teóricos e práticos para o mercado de trabalho, no contexto das organizações educacionais, filosóficas, sociais e tecnológicas.

“É importante abordar a Libras, pois estamos trabalhando de forma interdisciplinar e multidisciplinar com a Língua de Sinais. O objetivo do curso de especialização é oportunizar a formação de profissionais com perfil caracterizado por algumas capacidades, entre elas: reflexão analítica e crítica sobre a linguagem como fenômeno educacional, psicológico, social, ético, histórico, cultural, político e ideológico; exercício profissional, didático e pedagógico, com a utilização de Tecnologias Contemporâneas, seguindo os desafios do mercado de trabalho, entre outras”, situa Conceição Mendes.

A especialização de Libras traz como diferencial uma metodologia que inclui uso das Mediações Tecnológicas (aulas no Laboratório de Informática, uso de projetor multimídia) e as aulas presenciais contam com uma estrutura e uma equipe multidisciplinar.

Inscrições

As inscrições começaram no dia 01/03 e podem ser feitas pelo site do Nucepe até o dia 23/03 . A taxa de inscrição custa R$ 50.

Para os interessados, o procedimento começa na efetuação do cadastro e preenchimento do requerimento de inscrição, que devem ser feitos via internet no site do Nucepe. Depois, o candidato deverá imprimir o boleto e pagá-lo junto ao Banco do Brasil e aos seus correspondentes bancários, por meio de débito em conta corrente (na opção “Convênios” nos Caixas Eletrônicos) ou em espécie. Não será aceito comprovante de pagamento feito por meio de depósito bancário utilizando envelope.

O processo de seleção será constituído de duas etapas: prova escrita objetiva realizada dia 08/04 (duração de duas horas), de caráter eliminatório e classificatório, e a análise de curriculum, de caráter classificatório.

Confira o edital e mais informações no site do Nucepe.

Comentários