Mundo

Terrorista processa EUA por maus tratos em prisão federal

Condenado diz que funcionários do presídio não estão permitindo que ele pratique sua religião
Fonte: Sputnik | Editor: Redação 21/10/2017 07:59
Prisão federal de Florença Prisão federal de FlorençaFoto: UOL Notícias

Umar Farouk Abdulmutallab, um homem nigeriano que cumpre sentença de prisão perpétua por tentar detonar uma bomba em um avião no Natal de 2009, entrou com um processo contra o Departamento de Justiça dos EUA alegando que estão negado sua liberdade de expressão e direitos religiosos.

Abdulmutallab, de 30 anos, recebeu várias sentenças de prisão perpétua por tentar desencadear um explosivo escondido em sua cueca a bordo de um vôo 253 do Noroeste, há oito anos. Ele explicou que o ato fazia parte de seu "dever religioso" como muçulmano de promover a jihad contra os Estados Unidos.

Agora, o condenado afirma que as autoridades da prisão federal de segurança máxima em Florença, Colorado, estão violando seus direitos constitucionais ao não permitir que ele pratique sua religião e restrinja seu contato com o mundo exterior porque seu isolamento era baseado em medidas administrativas especiais impostas por motivos de segurança nacional.

De acordo com os documentos do tribunal, Abdulmutallab acusa a equipe da instalação de proibi-lo de conversar com suas sobrinhas e sobrinhos, bem como permitir que os presos supremacistas brancos o assediem durante os tempos de oração.

Ele também afirma que a equipe repetidamente o forçou a se alimentar usando métodos "excessivamente e desnecessariamente dolorosos" quando, em diversas ocasiões, se comprometeu com uma greve de fome para protestar.

"Os prisioneiros retem direitos constitucionais fundamentais para se comunicar com os outros e têm relações familiares livres de interferência indevida do governo", disse o advogado de Abdulmutallab ao The New York Times. "As restrições impostas ao nosso cliente são excessivas e desnecessárias e, portanto, buscamos a intervenção do tribunal federal".

Comentários