Cidade

HPM é referência no serviço odontológico para deficientes

Segundo a diretora do serviço Odontológico do Hospital da Polícia Militar, tenente-coronel Amparo Veloso, as metas para este ano foram cumpridas
Fonte: CCO | Editor: Redação 31/12/2017 10:24

Em 2017, o Serviço de Referência Odontológica à Pessoa com Deficiência Intelectual e Autismo, que funciona no Hospital da Polícia Militar Dirceu Arcoverde (HPM), realizou 218 procedimentos, beneficiando 84 pacientes. O serviço criado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado para Inclusão da Pessoa com Deficiência (Seid), em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) e o HPM, possibilita o tratamento odontológico, em nível terciário, das pessoas com deficiência intelectual e autismo não colaborativo, que precisam de atendimento com sedação ou anestesia geral.

Segundo a diretora do serviço Odontológico do Hospital da Polícia Militar, tenente-coronel Amparo Veloso, as metas para este ano foram cumpridas. "As pessoas com deficiência que procuraram atendimento foram prontamente atendidas. É gratificante ver o resultado dos procedimentos. Os pacientes que não tem acessos aos serviços de odontologia por causa da situação financeira, aqui recebem toda a atenção, isso é gratificante", descreve.

Do total de atendimentos de 2017, dez pacientes tiveram que ser internados por causa do procedimento cirúrgico feito com anestesia geral. Como o caso da paciente Danielle de Melo Pessoa, de 20 anos, que é autista e passou por um procedimentos de canal restauração de dois dentes. A jovem mora na zona rural do município de Altos.

Gonçalo da Silva Barbosa de 14 anos, vive na cidade de Batalha e veio procurar o atendimento em Teresina. O rapaz tem paralisia cerebral e fez o tratamento remoção de cárie, limpeza e extração de alguns dentes de leite que estavam danificados. "Foi o melhor presente que recebemos este ano", afirmou Francisca das Chagas Silva, mãe de Gonçalo. "Ele sentia muita dor por causa dos dentes estragados, ficava sem dormir. Mas, depois deste tratamento, tudo foi resolvido", alegra-se.

A tenente-coronel Amparo Veloso disse ainda que, depois do tratamento, é agendado o acompanhamento dos pacientes. "Em 2018, vamos aprimorar o atendimento. Primeiro, porque não temos fila de espera, e, segundo, porque teremos a inauguração de uma UTI para o serviço aqui no HPM. O trabalho vai melhorar mais ainda", destaca. A militar frisou que já há quatro pacientes marcados e que necessitam de internação, para a segunda quinzena de janeiro de 2018.

Comentários