Política

Administração do governo do Piauí é destaque na mídia nacional

Funcionários estaduais recebem orientação especializada sobre finanças domésticas
Fonte: Paulo Pincel | Editor: Luiz Brandão 29/09/2017 15:54
O secretário Franzé Silva tem sido muito elogiado pelo governador e pelos colegas O secretário Franzé Silva tem sido muito elogiado pelo governador e pelos colegasFoto: Paulo Pincel

O Programa de Educação Financeira dos Servidores Estaduais foi destaque na imprensa nacional nesta sexta-feira (29). Através de um curso e atendimentos personalizados, funcionários públicos estaduais estão recebendo orientação especializada sobre finanças domésticas.

Os servidores estaduais são liberados do horário de trabalho e durante 4 horas recebe informações básicas sobre planejamento financeiro doméstico. As aulas são ministradas pela professora Silvana Ramos. Ela diz que existem servidores que ganham bem e estão endividados porque gastam mal.

O curso começou depois que o governo descobriu que o número de servidores endividados vinha crescendo assustadoramente. Os servidores com empréstimos consignados somavam 56% em 2015 e cresceu para 70% em 2017. Ou seja, sete em cada dez servidores tem empréstimo consignado no Estado. Além disso, o governo descobriu que havia 48 mil contas vencidas e não pagas pelos servidores.

“A preocupação maior é com a produtividade dos servidores. No momento em que a gente cria um programa como esse nós motivamos o servidor ao chegar no seu local de trabalho e não traga a sobrecarga do endividamento que ele deixou na gestão doméstica. Isso prejudica de certa forma o desempenho do servidor no Brasil”, explicou o secretário de Estado da Administração e Previdência, Franzé Silva.

A dívida dos servidores públicos com empréstimo consignado chega a 173 bilhões de reais. Na iniciativa privada essa dívida é de apenas 18 bilhões.

Além de receberem as aulas, os servidores têm atendimento individualizado, onde é verificada a situação financeira de cada um. Os analistas estudam a possibilidade de renegociar as dívidas.

A coordenadora do programa, Janaína Mapurunga, explica que o objetivo da ação de governo é fazer com que o servidor busque fazer um estudo pessoal e familiar, um processo de economia doméstica para eliminar aquelas despesas que estão comprometendo o salário dele.

O Programa de Educação Financeira criou parcerias com as concessionárias de água e energia, com bancos e com os lojistas para negociar taxas de juros mais baixas, facilitando a negociação e a quitação dessas dívidas.

“Nós queremos vender e para vender nós precisamos de adimplência de pessoas com possibilidades de comprar”, diz Evandro Cosme, do Clube de Dirigentes Lojistas (CDL).

O curso ensina a regras dos três “sim”: Você tá precisando? Você tem condição? Esse é o momento? Se uma das reposta for não, melhor evitar a dívida.

Comentários