Polícia

Mãe reconhece o corpo de Rayane Paulino no IML

Um laudo indicou que Rayane foi morta por asfixia com cadarço
Fonte: G1 | Editor: Paulo Pincel 29/10/2018 19:52
Policiais encontram o corpo de Rayane Paulino (detalhe) Policiais encontram o corpo de Rayane Paulino (detalhe)Foto: Montagem/Paulo Pincel

Marlene Maria Paulino Alves, mãe da estudante Rayane Paulino, de 16 anos, reconheceu na manhã desta segunda-feira (29), que o corpo encontrado no domingo (28), em Guararema é da jovem. Um laudo indicou que morte foi por asfixia. Rayane estava desaparecida desde domingo (21), quando saiu de uma festa em Mogi das Cruzes.

A mãe esteve no Instituto Médico Legal (IML) de Mogi das Cruzes acompanhada do marido Marcio Paulino Alves. "Neste momento, eu tenho que cuidar da paz da Rayane. Que tudo o que ela passou, eu acho que ela está no céu, brilhando, e é isso que eu desejo. Eu tenho que cuidar de sepultar a minha filha", disse o pai emocionado na saída da funerária.

A polícia localizou o corpo em uma área de mata da Avenida Francisca Lerário, no bairro do Lambari, em Guararema. O corpo estava em avançado estado de decomposição.

Rayane desapareceu após festa em sítio de Mogi — Foto: Reprodução/TV Diário

O médico legista do IML Zeno Morroni Júnior informou que ainda serão feitos os exames para identificar a causa da morte, o exame toxicológico e também outro para verificar se a jovem foi estuprada. Além disso, o cadarço que estava enrolado no pescoço da vítima foi retirado e encaminhado para a perícia criminalística.

Segundo o legista, a mãe fez o reconhecimento baseada no esmalte e em uma pulseira que a filha usava. Por conta disso, não foi necessário fazer o exame de DNA.

O local em que o corpo foi localizado fica a pouco mais de 10 km de onde o celular da jovem foi encontrado, na terça-feira (23). O ajudante geral Alessandro Leite disse que apesar do local ficar perto da rodovia, o acesso não é fácil.

"Os colegas que viram, quando estavam indo votar. Teve um motoqueiro que passou e viu e acionou a polícia", conta o ajudante.

O delegado Rubens José Ângelo, da Delegacia de Homicídios, disse que a investigação segue. "Vamos trabalhar incansavelmente para descobrir os autores e prendê-los", destacou o delegado.

Caso Rayane

Na noite de sábado, 20 de outubro, Rayane Paulino foi a uma festa em um sítio de Mogi das Cruzes na companhia de mais duas amigas.O pai dela a deixou na casa de uma delas.

Para as amigas, Rayane teria dito que precisava ir embora mais cedo e que o pai viria buscar, mas isso não aconteceu. Ainda não se sabe se ela saiu do sítio sozinha ou acompanhada.

Por volta das 5h de domingo dia 21, os pais perceberam que a filha ainda não tinha ligado e acharam estranho. Eles contam que tentaram contato com ela, mas não conseguiram.

Na segunda-feira (22), os pais espalharam vários cartazes pela cidade com fotos de Rayane e o telefone deles para contato. A família da jovem conta que ela não tinha namorado e que sempre teve o costume de avisar onde e com quem estava.

Comentários