Cultura

Filme sobre Torquato Neto será lançado nessa segunda-feira (11)

Documentário conta com o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Cultura.
Fonte: CCOM | Editor: Redação 07/12/2017 12:57
Torquato Neto Torquato NetoFoto: Reprodução

A obra e vida do poeta piauiense Torquato Neto está presente no filme/documentário “Torquato Neto – Todas as horas do fim”, que será lançado em Teresina, na segunda-feira (11), no Theatro 4 de Setembro. Uma vasta programação – que antecede a estreia – marca a homenagem ao “Anjo Torto”.

A partir das 18h, no Café Literário Genu Moraes, tem o lançamento do livro “O Risco do Berro – Torquato Neto, Morte e Loucura”, de Isis Rost. No mesmo espaço tem a exposição “Torquato Neto: moleque indigesto”, que reúne trabalhos dos mais renomados cartunistas mundiais, sob a curadoria de Kenard Kruel e Rozi Magalhães. Também serão realizadas performances teatrais com Cláudia Simone, Jesus Viana e alunos do CETI Raldir Cavalcante Bastos. A música será por conta de Edvaldo Nascimento, Carla Ramos, Rafael Archanjo, Hernane Felipe e Machado Jr.

O lançamento do filme, que conta com apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), será as 19h, no Theatro 4 de Setembro. O documentário traz ao cinema, pela primeira vez, a obra e vida do poeta piauiense Torquato Neto, que se suicidou aos 28 anos, em 1972.

Este é o primeiro longa-metragem de Marcus Fernando, produtor e pesquisador musical, que estreou no audiovisual como diretor da série de TV “Cale-se – A censura musical”. É o segundo longa do diretor Eduardo Ades, que lançou nos cinemas, em 2017, o documentário “Crônica da demolição”, após ter dirigido e roteirizado o premiado curta “A dama do Estácio”, estrelado por Fernanda Montenegro.

O documentário revela Torquato Neto como o protagonista de fato – e não mero “assunto” sobre o qual outras pessoas falam. Essa proposta mostrou-se um grande desafio de montagem (assinada por João Felipe Freitas), pois o poeta aparece em raros materiais filmados. Já a sua voz tem um único registro, localizado durante a realização do filme por meio do contato de um radialista, que soube da produção pela imprensa e localizou um rolo com a gravação de uma entrevista realizada com Torquato em 1968. Depois de 45 anos da sua morte, a voz do poeta voltará a ser ouvida.

Ao longo de quase dois anos de edição do documentário, foram selecionados 26 textos da autoria de Torquato Neto, que permitem contar sua história e atingir suas inquietudes e sua poética. São poemas, colunas de jornal, cartas para amigos e parentes, e trechos de diários. Quem dá voz ao poeta, no filme, é o ator Jesuíta Barbosa.

Somam-se aos textos e à entrevista em áudio, 19 músicas de Torquato, interpretadas por nomes como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Edu Lobo, Jards Macalé, Elis Regina, entre outros – incluindo os seus maiores sucessos: “Pra dizer adeus”, “Geleia Geral”, “Mamãe, coragem” e “Let’s play that”. O filme conta ainda com depoimentos de amigos e parceiros, que trazem suas memórias da convivência com o poeta – Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tom Zé, Augusto de Campos, Ivan Cardoso, Jorge Salomão, entre outros.

Para criar o imaginário visual e poético de Torquato, assim como reconstruir o contexto de sua época, o documentário utiliza mais de 200 fotos (a maior parte do Arquivo Torquato Neto) e trechos de 40 filmes, sendo a maioria do Cinema Novo e do cinema marginal. O filme, uma produção da Imagem-Tempo, tem patrocínio da Riofilme e da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), e coprodução do Canal Brasil.

Comentários