Polícia

Cúpula da Segurança avisa: ele vai pagar pelo que fez

"Ele não vai ficar impune, nós vamos leva-lo ao Judiciário”, avisou Barêtta
Fonte: Polícia Civil | Editor: Paulo Pincel 01/11/2017 10:26
O capitão chega à Delegacia de Homicídio e o local onde ele desovou o corpo de Camila Abreu O capitão chega à Delegacia de Homicídio e o local onde ele desovou o corpo de Camila AbreuFoto: Montagem

Durante a coletiva, na sede da Secretaria de Segurança Pública, na manhã desta quarta-feira, a cúpula da Segurança prometeu concluir o inquérito e levar o criminoso a julgamento na Justiça para responder pela morte da estudante de Direito. O secretário de Estado da Segurança Pública, Fábio Abreu, revelou quais serão os próximos passos da polícia em relação ao feminicídio contra a universitária Camila Pereira de Abreu, que teria sido praticado pelo capitão-PM,

Allison Wattson da Silva Nascimento, que está preso no quartel do Comando Geral da Polícia Militar, no bairro Ilhotas, na zona Sul de Teresina. “Temos 60 dias para o Conselho de Justificação [da Polícia Militar] fazer os procedimentos e consequentemente excluir ele [o capitão Allisson Nascimento] da corporação. Ele está no presídio militar [no QCG], mas, a partir do momento que ele for expulso, vai para um presídio comum. Acredito que no máximo em 15 dias o inquérito já esteja finalizado e seja encaminhado para a Justiça”, previu Fábio Abreu.

O delegado-geral de Polícia Civil, Riedel Batista, explicou que conclusão do inquérito que apura o assassinato de Camila Abreu continua como prioridade na Delegacia de Homicídio.

“Foi feito o interrogatório dele ontem e o corpo foi encontrado, mas ainda faltam as perícias criminais, tanto no veículo, como no corpo da vítima e também alguns depoimentos que serão tomados ainda pela Delegacia de Homicídios. Então a gente está dando prioridade a esse caso, toda a equipe de homicídios está trabalhando para que a gente fique robusto de provas, para que o promotor do júri tenha condições de denunciar o assassino à Justiça”.

O coordenador da Delegacia de Homicídios, delegado Francisco Costa, o “Barêtta”, considerou gratificante chegar à autoria de crime violento e de grande repercussão como o de Camila. “A gente poder dar uma resposta a sociedade, mas uma resposta satisfatória, com toda celeridade e com todos os indícios que podem levar a condenação desse indivíduo que praticou esse ato criminoso, covarde contra a mulher.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Fábio Abreu, revelou quais serão os próximos passos da polícia em relação ao feminicídio contra a universitária Camila Pereira de Abreu, que teria sido praticado pelo capitão-PM, Allison Wattson da Silva Nascimento, que está preso no quartel do Comando Geral da Polícia Militar, no bairro Ilhotas, na zona Sul de Teresina.

“Temos 60 dias para o Conselho de Justificação [da Polícia Militar] fazer os procedimentos e consequentemente excluir ele [o capitão Allisson Nascimento] da corporação. Ele está no presídio militar [no QCG], mas, a partir do momento que ele for expulso, vai para um presídio comum. Acredito que no máximo em 15 dias o inquérito já esteja finalizado e seja encaminhado para a Justiça”, previu Fábio Abreu.

O delegado-geral de Polícia Civil, Riedel Batista, explicou que conclusão do inquérito que apura o assassinato de Camila Abreu continua como prioridade na Delegacia de Homicídio.

“Foi feito o interrogatório dele ontem e o corpo foi encontrado, mas ainda faltam as perícias criminais, tanto no veículo, como no corpo da vítima e também alguns depoimentos que serão tomados ainda pela Delegacia de Homicídios. Então a gente está dando prioridade a esse caso, toda a equipe de homicídios está trabalhando para que a gente fique robusto de provas, para que o promotor do júri tenha condições de denunciar o assassino à Justiça”.

O coordenador da Delegacia de Homicídios, delegado Francisco Costa, o “Barêtta”, considerou gratificante chegar à autoria de crime violento e de grande repercussão como o de Camila. “A gente poder dar uma resposta a sociedade, mas uma resposta satisfatória, com toda celeridade e com todos os indícios que podem levar a condenação desse indivíduo que praticou esse ato criminoso, covarde contra a mulher. Ele não vai ficar impune, nós vamos levar ele ao poder Judiciário”, avisou Barêtta.

Comentários