Brasil

Cidades gastam sem licitação tentando ser sede de jogos

Piauí Hoje
Fonte: Folha Online 17/01/2009 23:00 - Atualizado em 27/10/2016 09:10
Apesar de ainda não saberem se abrigarão jogos do Mundial do Brasil, cidades favoritas e zebras para sediar partidas da Copa-2014 já abrem o cofre para tentar se garantir como sede.Os gastos vão desde a contratação sem licitação de consultorias para elaboração de projetos até viagens e a participação em eventos. Estão na disputa 18 cidades, mas no máximo 12 serão sedes. Duas multinacionais de consultoria vão receber, juntas, mais de R$ 5 milhões para realizar estudos de viabilidade técnica das candidaturas. A Price Waterhouse foi contratada em Goiás, Pará e Rio Grande do Norte. A Deloitte, no Amazonas e em Mato Grosso. Os governos dispensaram licitação. Só em Natal (RN), os gastos previstos para essa fase da candidatura são de R$ 3,5 milhões. O Pará, que gastou R$ 2,1 milhões só em consultorias, mandou representante do comitê à Itália para "registrar" o projeto. Rio Branco, a menor cidade candidata, já consumiu R$ 350 mil também sem licitação- no projeto de reforma de seu estádio, a Arena da Floresta. O governo do Ceará estima ter gasto até agora R$ 1,5 milhão, incluindo a contratação, sem exigência de licitação, por R$ 36,2 mil, de uma promotora de eventos para uma feira. O advogado Ariosto Peixoto, especialista em licitações, afirma que a lei prevê a dispensa da concorrência devido ao grau de especialidade da empresa contratada. Mas pode ser irregular, diz, se outras companhias atuarem na mesma área. "Esses contratos são frequentemente condenados no Tribunal de Contas", diz Peixoto. Ele afirma ainda que a dispensa de licitação é usada como forma de acelerar contratações. CIDADES POSTULANTES Brasília rede hoteleira pouco futebol Campo Grande união dos governos falta de experiência Cuiabá investimento de R$ 1 bilhão cidade pequena Goiânia projeto para entorno do estádio aeroporto pequeno Fortaleza investimento em infra-estrutura valorização das belezas naturais Maceió construção de uma Vila Olímpica poucos detalhes no projeto Natal centro turístico perto da Europa construção de estádio condicionada à Copa Recife/Olinda candidatura dupla falta força política Salvador apresentação técnica falta de capacidade hoteleira Belém melhor estrutura da região Norte acesso às cidades Manaus revitalização do Vivaldão difícil acesso ao estádio Rio Branco investimento em infra-estrturura aposta na beleza natural Belo Horizonte bastante força política valor dos investimentos não divulgado Rio de Janeiro é sede da CBF problema de violência São Paulo melhor economia do País trânsito caótico Curitiba já ter um dos melhores estádios acessos aos estádios Florianópolis independência de investimento estatal menor cidade em região de forte concorrência Porto Alegre capacidade de receber eventos dificuldade financeira

Comentários