Sintomas da síndrome do pânico são parecidos com os do infarto

Os sintomas são muito parecidos com os do infarto e podem confundir até na hora do atendimento médico.


Síndrome do Pânico

Síndrome do Pânico Foto: Rosangela Moura Pedro

É comum as pessoas irem primeiro ao cardiologista quando têm uma crise de pânico. É importante fazer uma avaliação cardiológica para descartar qualquer problema cardiovascular. Sinais do corpo que parecem uma coisa, mas na verdade são outra. Isso acontece com a síndrome do pânico. Os sintomas são muito parecidos com os do infarto e podem confundir até na hora do atendimento médico.

“Eu comecei a sentir o braço formigar, sentia dor no peito, sentia que tinha alguma coisa empurrando aqui [no coração]”, conta a professora Caroline de Sousa Servente. Ela e o noivo, Daniel Rodrigues Plácido, foram parar várias vezes no hospital com sintomas de um infarto. “Formiga o braço, falta o ar. Chegava no OS, 30 minutos depois não tinha mais nada”, relata o noivo.

O problema não era no coração. Quando descobriram a causa de tudo, o jogo virou. “Comecei a tomar medicação, fazer terapia, ter mais controle sobre os pensamentos, ansiedade, que é o que provoca o pânico. Comecei a aprender a lidar com o problema”, conta a Carol. Ela segue tomando remédios e fazendo terapia.

Aos poucos, ela vai ganhando confiança e autonomia. “Antigamente eu ficava evitando situações que provocavam a crise – dirigir, passar num túnel, pegar transporte público lotado. Hoje eu enfrento. Me sinto melhor, porque sei diferenciar o pânico do estresse, do infarto”.

O Daniel também tem trabalhado para ter controle durante a crise. “Exercícios de respiração, tentar manter a calma. Se eu vejo que não está passando, eu tomo remédio. Mas remédio para mim é o último caso”. É comum as pessoas irem primeiro ao cardiologista quando têm uma crise de pânico. É importante fazer uma avaliação cardiológica para descartar qualquer problema cardiovascular.

Síndrome do pânico

A síndrome do pânico é uma crise de ansiedade aguda e intensa, acompanhada de sintomas físicos. É repentina e não tem uma causa definida. Diante de uma crise, a pessoa se sente ameaçada, mas não entende as causas e nem sabe como reagir ao problema. Ela dura alguns minutos e passa, mas pode ficar uma sensação de mal-estar.

As crises podem ocorrer uma vez na semana ou várias vezes ao dia. Algumas pessoas desenvolvem fobia de sair porque não querem ter as crises. A síndrome tem um aspecto biológico muito forte. É preciso tomar remédio para diminuir a ansiedade, além da psicoterapia.

Sintomas da crise:

Musculatura tensa

Respiração ofegante

Coração disparado

Falta de ar

Pressão ou dor no peito

Palidez

Sudorese

Tremores

Fonte: Bem Estar

Próxima notícia

Dê sua opinião: