COVID-19

Monitora Covid-19 já atendeu mais de 600 piauienses e evitou sobrecarga de hospitais

O aplicativo Monitora Covid-19 já atendeu, em menos de quinze dias de funcionamento, 649 usuários, que utilizaram da tecnologia como ferramenta de […]


Aplicativo Monitora Covid

Aplicativo Monitora Covid Foto: Divulgação

O aplicativo Monitora Covid-19 já atendeu, em menos de quinze dias de funcionamento, 649 usuários, que utilizaram da tecnologia como ferramenta de apoio no combate ao novo coronavírus (Covid-19). A plataforma possibilita o atendimento e contato direto da população piauiense com profissionais da saúde.

“Com uma plataforma de acesso simplificado, o aplicativo é uma ferramenta de apoio ao combate à pandemia no Piauí, onde a Sesapi faz o acompanhamento da situação de pessoas que estão com sintomas da doença, com identificação dos sintomas suspeitos, orientação para atendimento médico e indicação do posto de atendimento mais próximo”, explica o secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto.

O aplicativo conta com 69 profissionais da saúde, que passaram por treinamento e estão à disposição para realizar o atendimento on-line, direto de uma sala de controle que funciona no Hospital Getúlio Vargas.

“A maioria dos pacientes que baixam a plataforma são casos classificados como cinza (1735), em seguida verde ( 797), amarelo (113), logo depois laranja (41) e por fim os mais graves de risco vermelho (43). Lembrando que muitos mudam de classificação, podendo sair de uma mais grave para mais leve e vice-versa”, explica o médico otorrinolaringologista Bernardo Cunha.

O sistema classifica os pacientes nas seguintes categorias:

Cinza: baixam o aplicativo mas não finalizam o cadastro
Verde (risco 1): Sem sintomas
Amarelo (risco 2) : Sintomas como febre e tosse, sem falta de ar e sem comorbidade
Laranja (risco 3): Sintomas como febre e tosse, sem falta de ar e com comorbidade
Vermelho (risco 4) : Sintomas e falta de ar

O Monitora Covid-19 foi desenvolvido por instituições privadas, em parceria com o Consórcio Nordeste; a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia (Secti); a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e a Fundação Estatal Saúde da Família (Fesf-SUS/FESF-tech). O aplicativo está disponível para Android, necessitando de uma internet de baixa conexão para a utilização. A maioria dos usuários até o momento são de Teresina (69%), os demais (31%) estão espalhados pelo interior.

“Esse aplicativo é muito importante, pois atendemos muitos casos que deixam de ir aos hospitais desnecessariamente. Além de facilitar a situação daqueles que precisam de atendimento hospitalar, pois faz um georreferenciamento, das unidades de saúde mais próxima e também monitora e orienta as pessoas que tiveram contato com casos positivos da doença”, enfatiza Bernardo Cunha.

Para utilizar o aplicativo, o usuário deve se cadastrar, colocar todos os seus dados, informar a localização, bem como os sintomas que está sentindo e poderá ter uma interação de vídeo com o médico. “Dependendo da complexidade do caso, o médico vai entrar em contato com esse paciente para tirar dúvidas e verificar se os sintomas são de Covid-19, H1N1 ou outra doença. O sistema é simples de usar, é intuitivo, e permitirá esse contato mais próximo dos profissionais de saúde com a população piauienses”, explica o otorrinolaringologista .

Fonte: CCOM

Próxima notícia

Dê sua opinião: