PP já avalia a possibilidade de deixar o governo

Partido escolhia substitutos para todos os cargos na Saúde, inclusive na direção dos hospitais


MArgarete Coelho com Wellington Dias: ainda aliados

MArgarete Coelho com Wellington Dias: ainda aliados Foto: Paulo Pincel

Fracassou a articulação do governador Wellington Dias para ampliar a base governista e garantir mais quatro anos de mandato em 2018. O motivo? A Secretaria de Estado da Saúde, que é do PT, mas teria sido prometida ao Partido Progressista, como garantem as suas principais lideranças.

A prova de que azedou mesmo a relação do PT com o PP, são as informações que circulam nos bastidores, inclusive nos corredores do Palácio de Karnak, nesta quinta-feira (16), de que o PP não vai assumir nenhum cargo no Executivo. E que de aliado do governo, o PP vai se tornar oposição.

Júlio Arcoverde, Ciro Nogueira e Wellington Dias
Júlio Arcoverde, Ciro Nogueira e Wellington Dias

Cargos

Um dos motivos do rompimento das negociações com o PP teria sido a informação repassada ao governador por auxiliar próximo de que o senador Ciro Nogueira já estaria montando a sua equipe, não só para ocupar a Secretaria Estadual de Saúde, mas para substituir os cargos em comissão, inclusive os diretores hospitais nos municípios.

Desde uma ligação feita para o senador Ciro, Wellington Dias não conversou mais com o PP. Nem com Ciro, nem com a vice-governadora Margarete Coelho e nem com o presidente do PP no Piauí, deputado estadual Júlio Arcoverde.


PMDB

As negociações com o PMDB também estão indefinidas, apesar da reunião ocorrida no começo da semana, quando Wellington Dias conversou com os deputados Marcelo Castro e Themístocles Filho no Karnak.

No encontro, ficou definido que o PMDB indicará a Secretaria de Assistência Social e Cidadania, Departamento de Estradas de Rodagem, Programa de Combate à Pobreza Rural e Empresa de Serviços Hospitalares.

Fonte: Redação

Próxima notícia

Dê sua opinião: