TRABALHO

Movimento ‘OAB Que Chega Junto’ dialoga com a advocacia de Barras sobre as dificuldades

Bruno Lages, advogado criminalista atuante na região, destacou a importância das discussões promovidas pelo movimento


Evento

Evento Foto: Divulgação

O movimento ‘OAB Que Chega Junto’ tem promovido encontros pelo interior do estado, ouvindo advogados e advogadas piauienses sobre as suas dificuldades. Nesta segunda-feira (13), esteve em Barras, no Restaurante Brisa do Marathaoan, a maior queixa ouvida foi a falta de servidor no Fórum, o que implica na precariedade dos serviços e morosidade nos processos.

Bruno Lages, advogado criminalista atuante na região, destacou a importância das discussões promovidas pelo movimento e relata que vivem uma situação precária em relação ao judiciário e a representatividade da OAB local. "Precisamos de força da OAB para podermos buscar melhorias para a advocacia. Necessitamos de uma entidade atuante, com menos propaganda e mais atitudes que tragam resultados para a nossa cidade", disse o advogado.  

Viviane Moura filia-se ao Solidariedade

Deputado Hélio Isaías retorna à Assembleia para votar na eleição do TCE-PI

Ciro Nogueira já tem até discurso para voltar a apoiar Lula


Um dos propósitos do movimento é apoiar a advocacia do interior piauiense, aproximando a OAB dos operadores do direito, em defesa do diálogo, transparência e por uma entidade mais participativa e acolhedora. Além da importância de conhecer a realidade de cada município e os ajudar com as dificuldades enfrentadas. "O nosso movimento é o do agregar, de resolvermos os problemas e trabalharmos juntos, sem diferenças", destacou a advogada Naiara Moraes.

Pela primeira vez em diálogo com os advogados e advogadas de Barras, o coordenador do movimento, o advogado Raimundo Júnior, defende uma OAB mais representativa, em que todos se sintam parte, acolhidos e ouvidos. “Tenho uma relação muito próxima com Barras, por isso me sinto à vontade para falar com a advocacia da região. A OAB não pode mais ser lugar de um grupo só, encastelada, deve ser para todos que vivem e sobrevivem da advocacia”, frisou Raimundo Júnior.

Fonte: Marília Andrade

Próxima notícia

Dê sua opinião: