Fim da greve na Uespi está perto, avisa líder do Governo

Secretário de Governo negociou com comissão de manifestantes


Deputado estadual Francisco Limma (PT)

Deputado estadual Francisco Limma (PT) Foto: Paulo Pincel

O deputado Francisco Limma (PT) afirmou hoje (10) em pronunciamento que as negociações para o fim da greve da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) estão avançadas, principalmente após a reunião entre o comando de paralisação da instituição e o secretário de Governo, Osmar Júnior, com o encaminhamento de várias reivindicações que já estão sendo atendidas.

“Hoje a Uespi é bem melhor do que quando foi criada pelo então governador Mão Santa numa dimensão que o  Orçamento do Estado não pôde suportar. O governador recebeu pessoalmente o comando de greve e hoje o secretário Osmar Júnior materializou as negociações,  quando ficou acertado o atendimento das ações emergenciais que não ultrapassem a Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirmou.

Limma disse também que ficou definida a formação de uma comissão para elaborar o projeto de autonomia administrativa e financeira da Uespi, o pagamento de gastos que não configurem novas despesas, a prorrogação da validade do concurso para professor por mais um ano, já que atualmente o concurso só vale por este semestre.

Além disso, serão produzidas as promoções e progressões a que os professores têm direito, a regularização do pagamento das bolsas estudantis com o pagamento dos valores atrasados. “Ficou certo também que no prazo de 90 dias serão apresentadas pela reitoria as reformas emergenciais e os respectivos custos.

Em aparte, o deputado Franzé Silva (PT) disse que o ponto mais importante da negociação é a autonomia administrativa e financeira da Uespi. Ressaltou também ter dito que a Prefeitura de Teresina é a última do Nordeste e  décima do Brasil nos investimentos em saneamento. “Nunca disse que a PMT não investe em saneamento” retrucou.

Encerrando, Limma disse que não são procedentes as alegações da oposição de que o governo estará tentando impedir as fiscalizações dos deputados, do Ministério Público e de outras instituições que tem essas atribuições por determinação constitucional.

Fonte: Alepi

Próxima notícia

Dê sua opinião: