Estudantes desocupam a reitoria da Uespi depois de 27 dias

Manifestantes ameaçavam retomar a ocupação, caso as promessas não sejam cumpridas


Manifestantes desocuparam a reitoria da Uespi

Manifestantes desocuparam a reitoria da Uespi Foto: Divulgação

Um grupo de estudantes, que continuava ocupando a reitoria da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), mesmo depois do fim do movimento grevistas dos professores, decidiram encerrar o movimento, que já durava 27 dias no Palácio Pirajá, após um acordo com o governo Wellington Dias (PT).

Em nota, os manifestantes relacionaram as propostas acordadas com o governo. E ameaçavam retomar a ocupação, caso essas promessas não sejam cumpridas.

O professores da Uespi retornam ao trabalho nesta segunda-feira (22), depois que decidiram encerrar a greve, depois de uma reunião com o secretário de Estado do Governo, Osmar Júnior. No encontro, foram acordadas várias propostas, que eram reivindicadas pelos professores.   

Confira a nota na íntegra do Movimento S.O.S UESPI:

O Movimento S.O.S UESPI vêm, por meio dessa nota, esclarecer os principais ganhos frutos da aguerrida mobilização estudantil das últimas semanas e da greve estudantil deflagrada no mês de março.  Ressaltamos a suma importância da ocupação da Reitoria da UESPI e dos atos frente ao palácio de Karnak para que os estudantes se fizessem escutar, respeitar e que tais direitos fossem conquistados:

1. O edital PREG 002/2019, o qual previa oferta apenas de bolsas de monitoria não remuneradas será anulado, sendo posteriormente lançado um novo edital, o qual contará com a mesma quantidade de bolsas remuneradas previstas no ano de 2018.

2. Pagamento das bolsas em atraso, e como solução para o pagamento ser feito em dias, foi acordado a sua implementação à folha de pagamento dos servidores estaduais.

3. Seleção para a contratação de professores substitutos.

4. Criação de duas Comissões para discutir a Autonomia Financeira da Universidade uma junto ao governo do estado outra junto ao legislativo.

5. Adequação, em até 6 meses, em todos os campus de espaços que servirão de refeitório.

6. Retorno da agenda dos ônibus da universidade para viagens acadêmicas.

7. Resolutividade para férias da bolsa trabalho em até 30 dias.

8. Liberação de recursos para até 3 obras emergenciais em todos os campus.

9. Não criminalização dos estudantes da Universidade em especial os ocupantes do Palácio Pirajá.

Diante do avanço das negociações e mediante assinatura de acordo de conciliação entre a administração superior da UESPI e o movimento estudantil, levando em conta ainda as condições e riscos a que os estudantes ocupantes estavam submetidos, após 27 dias de ocupação, foi aprovada em assembleia a desocupação do Palácio Pirajá e a suspensão da greve estudantil.

Sabendo que a luta contra a precarização da nossa universidade será construída diariamente, os discentes da UESPI, em assembleia, declararam *Estado de greve*, sabendo que se houver qualquer descumprimento dos acordos decididos durante as reuniões com a administração superior da IES e o governo, os estudantes podem e irão entrar em greve novamente”.

Fonte: Paulo Pincel

Próxima notícia

Dê sua opinião: