INVESTIMENTO

Em São Paulo, governador discute retomada da Transnordestina

Chefe do executivo piauiense se reuniu com o diretor de Portos e Logística da CSN, Pedro Brito.


Governador do Piauí, Wellington Dias

Governador do Piauí, Wellington Dias Foto: PAULO PINCEL/PH


O governador Wellington Dias se reuniu, nesta terça-feira (18), em São Paulo, com o diretor de Portos e Logística da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Pedro Brito. Na ocasião, ele também falou, por telefone, com o presidente da CSN, Benjamin Steinbruch. Em pauta, a retomada das obras da Ferrovia Transnordestina, obra essencial para a mudança de patamar do desenvolvimento da região Nordeste, em especial o Piauí.

A ferrovia, orçada em R$ 6 bilhões, percorre os estados do Ceará, Pernambuco e Piauí, sendo metade do orçamento total, cerca de R$ 3 bilhões, aplicados apenas em território piauiense. “É uma obra estratégica. Ela permite um melhor acesso de mercadores consumidores à reservas minerais como ferro e mármore; à produção de alimentos; agiliza o trânsito de importação e exportação de álcool e importação de petróleo, gás. Ou seja, algo que muda as condições do desenvolvimento do nordeste de maneira substancial, em especial o Piauí”, explica o governador.

Além da retomada do desenvolvimento econômico da região, a retomada das obras gera cerca de nove mil empregos diretos e indiretos. Quando concluída, a Transnordestina interligará o Porto de Pecém, em Fortaleza, passando pelo município piauiense de Elizeu Martins, até a cidade de Recife.

Durante visita ao Piauí no início do mês, o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, anunciou que os trâmites para retomada da obra estão adiantados, com expectativa de início para o segundo semestre deste ano. De acordo com o plano de construção, após reiniciada, a obra tem prazo de entrega de 30 meses, com expectativa para ser inaugurada em 2022.

“Há um dever de casa a fazer e que nós estamos tratando, em relação ao desembaraço das condições de regularização fundiária, renovação de licenciamento ambiental e garantir no início de que nós não teremos problemas nas condições de retomada, mas claro com toda a preocupação ambiental, social necessária para uma obra como essa”, finaliza Dias.

Beneficiamento de manufaturas em Canto do Buriti

Em São Paulo, o chefe do executivo piauiense também conversou com representantes do Grupo GD Solar, que mantém investimentos na área de produção de energia solar, na região de São João do Piauí, bem como na produção e beneficiamento de caju e mel no município de Canto do Buriti. Na oportunidade, a empresa manifestou interesse em desenvolver parcerias com produtores locais para beneficiamento de manufaturados, através da Organização Anjos do Sertão, instituição pela qual desenvolve ações sociais na região.

“A GD Solar manifestou o interesse em investir em municípios que possuem uma indústria âncora, que industrializa e comercializa a produção. Incorporada a ela é possível termos um conjunto de produtores dessa região em condições de produzir, com o uso de tecnologia disponibilizada pela empresa, e em contrapartida se criaria o vínculo de compra e venda entre as partes, adquirindo a produção do pequeno agricultor a preço justo. Essa modelagem é uma prioridade do Estado”, explica.

Equipes técnicas do Estado e da GD Solar irão apresentar um plano de viabilidade da parceria em 90 dias.

Fonte: CCOM

Próxima notícia

Dê sua opinião: