CRISE

Bolsonaro é pressionado por Militares e não demite Mandetta

O ex-ministro Osmar Terra era o nome mais cotado para assumir o cargo


Ministro Mandetta

Ministro Mandetta Foto: Divulgação

De acordo com a Revista Veja, o presidente Bolsonaro voltou atrás na decisão de demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta após ser aconselhado por Militares como os ministros Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Governo). O anúncio da demissão estava prevista para às 17h, quando o presidente se reuniria com todos os ministros. 

Mandetta tem se destacado no combate à proliferação do Coronavírus no Brasil auxiliando os Governos Estaduais, sendo também favorável ao isolamento social, tanto criticado pelo presidente. 

Segundo a Veja, a possibilidade de exoneração, no entanto, continua forte. Mandetta bateu de frente com Bolsonaro principalmente por causa da questão da quarentena ampla, que o ministro e as principais autoridades de saúde do mundo defendem, entre elas a Organização Mundial da Saúde (OMS), que lidera os esforços mundiais de combate à pandemia. Bolsonaro prefere flexibilizar o isolamento social por acreditar que a adoção da quarentena vai “quebrar” a economia do país e provocar caos social, o que pode ferir de morte o seu governo.

O deputado federal Osmar Terra, ex-ministro da Cidadania, a imunologista e oncologista Nise Yamaguchi, diretora  do Instituto Avanços em Medicina, e o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, são apontados como favoritos a ocupar o cargo. Terra, inclusive, já teria ligado para alguns governadores para anunciar a decisão do presidente.

Terra, que foi ministro da Cidadania até fevereiro deste ano, tem defendido nos últimos dias posição contrária à de Mandetta na questão do isolamento social – alega que a medida não resolve e pode prejudicar a economia, mesma tese defendida pelo presidente. Barra Torres também pensa como Bolsonaro e chegou a acompanhá-lo no dia em que ele cumprimentou apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada durante as manifestações de 15 de março. Já Yamaguchi é defensora do uso da cloroquina no tratamento do coronavírus – Bolsonaro é um entusiasta da ideia.

Fonte: Com informações da Veja

Próxima notícia

Dê sua opinião: