Equilibrar contas é desafio, diz futuro secretário-geral da Presidência

Gustavo Bebiano lamenta decisão que aumenta salário de servidores públicos


Gustavo Bebiano lamenta decisão que aumenta salário de servidores

Gustavo Bebiano lamenta decisão que aumenta salário de servidores Foto: Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil

O futuro secretário-geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, disse hoje (20) que a missão mais difícil da equipe que assumirá o governo em 1º de janeiro é o equilíbrio das contas públicas. Ele lamentou a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou o aumento para servidores públicos em 2019.

Gustavo Bebiano, futuro secretário-geral da Presidência da República - Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil

“Vamos começar com um desequilíbrio maior por causa disso. Mas faz parte do jogo”, afirmou Bebianno, que passou a manhã em reuniões com a equipe de transição no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB).

Bebianno criticou a “cultura” de concessão de aumentos sem considerar o equilíbrio das contas e afirmou que o futuro governo terá que adotar “medidas antipáticas” em decorrência de algumas decisões já consolidadas, como a de Lewandowski. “É muito ruim. Temos certeza [de] que o ministro Lewandowski deve saber disso.”

Questionado sobre a primeira reunião ministerial, conduzida pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, ontem (19), Bebianno disse que cada futuro ministro apresentou brevemente as diretrizes de sua pasta. O primeiro escalão recebeu uma orientação precisa: todas as metas devem colocar o “cidadão em primeiro lugar”. “A máquina pública existe em função do cidadão e, não o contrário”, afirmou.

Segundo Bebianno, muitos processos hoje são conduzidos sem preocupação com o interesse da população. Ele ponderou que não é possível paralisar a máquina pública, mas disse que a meta número 1 do futuro governo "é a melhora dos serviços públicos para a popuulação".

Fonte: Agência Brasil

Próxima notícia

Dê sua opinião: