Gaeco investiga dois delegados suspeitos do vazamento de informações sobre Operação Terra Nullius

Investigados fugiram depois de serem alertados sobre a operação do dia 28


Operação Terra Nullius do Gaeco

Operação Terra Nullius do Gaeco Foto: Reprodução/TV Clube

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Piauí investiga o vazamento de informação sobre a Operação Terra Nullius, que cumpriu mandados de prisão e busca a apreensão contra uma quadrilha especializada em grilagem de terras no litoral do Piauí. Pessoas investigadas conseguiram fugir depois de serem alertados sobre a operação, desencadeada na madrugada de terça-feira (28), em Teresina, Parnaíba e Luís Correia. 

O promotor de Justiça Rômulo Cordão adiantou, nesta sexta-feira (31), que foram cumpridos mais dois mandados de busca e apreensão nas residências de dois delegados, em Parnaíba e em Teresina. A Polícia Civil do Piauí, no entanto, emitiu nota informando que não participa da operação e nem tem conhecimento de tais buscas na casa dos delegados.

“Houve o vazamento de informações, a gente já sabe que aconteceu e é isso que está sendo apurado hoje. O vazamento ocorreu, o que estamos fechando é quem participou. Houve cumprimento de mandado de busca e apreensão nas casas de dois delegados”, disse Rômulo Cordão ao G1 PI.

A suspeita é de que um dos investigados na Operação Terra Nullius, o empresário Luiz Neto, marido de uma delegada e genro do prefeito de Parnaíba, Mão Santa, tenha sido alertado sobre a existência de um mandado de prisão contra ele e conseguido fugir antes da chegada da polícia em sua residência, na Zona Leste de Teresina, no dia 28 de maio passado.

O Tribunal de Justiça do Piauí, menos de dois dias depois, relaxou a prisão de um dos suspeitos preso e expediu uma contra ordem anulando a determinação da prisão do investigado, até então considerado foragido da Justiça. Uma medida cautelar determinou que os suspeitos, que vão responder ao processo em liberdade,  não mantenham qualquer contato com as testemunhas de acusação. Assim, os dois responderão em liberdade pelos possíveis crimes.

O promotor revelou que estão em curso três investigações: o desdobramento da Operação Terra Nullius, sobre a grilagem de terra;  o vazamento de informações sobre o a operação Terra Nullius; e a Operação Sal da Terra, que apura a participação de dois policiais militares numa milícia armada que dava suporte ao esquema de grilagem de terras no litoral.

Gaeco
O brasão do Gaeco do MPPI

Leia a íntegra da nota:

"A Polícia Civil do Piauí informa que não está participando das investigações sobre a operação "Nulius", que investiga suposto esquema para grilagem de terras e que esta sexta-feira (31) não recebeu nenhum comunicado oficial citando algum delegado envolvido em tal investigação".

Fonte: Redação

Próxima notícia

Dê sua opinião: