ABUSO SEXUAL

Denúncia de atriz piauiense desencadeou prisão do falso médium João de Deus

Investigação ganhou série documental que será exibida no Globoplay em seis epidódios


João de Deus e a piauiense Deborah Kalume

João de Deus e a piauiense Deborah Kalume Foto: Divulgação/Marcelo Carmago/Fantástico

João Teixeira de Faria, mais conhecido como João de Deus por supostamente realizar milagres em nome do divino, foi condenado a 63 anos de prisão por assediar e abusar sexualmente suas consulentes. A condenação teve como base denúncia da atriz piauiense Deborah Kalume, ex-esposa do cineasta Fábio Barreto, em meio a de muitas outras mulheres que foram vítimas do homem.

Natural de Floriano, Sul do Piauí, Deborah procurou João de Deus após o marido sofrer um acidente de trânsito e entrar em coma no ano de 2009.

“Fui lá em 2012, dois anos e meio depois do acidente. Eu fui com pai dele, Barretão. E acho que foi assim, talvez a última alternativa de milagre que eu quis, acreditei. Ele perguntou se eu tava de sutiã. Falei que sim. Ele falou, "pode tirar?" Quando fui desabotoar o sutiã, me deu uma sensação ruim. Mas ao mesmo tempo me culpei. Você tá louca? Você tá... é uma espécie até de culpa de você pensar algo de errado daquele homem. Em algum momento ele botou a mão em cima da calça, do pênis dele, eu congelei. Fechei o olho. Ele mandava abrir o olho. Eu não consegui fazer nenhum movimento. Ele falou que eu tava atrapalhando essa cura porque eu não tava confiando nele. Então, eu tava atrapalhando. Que era pra eu relaxar. Aí ele... me colocou em pé. Começou a apertar o bico do meu seio. Veio por trás de mim. Começou a se esfregar. Ele fazia tudo isso rezando Ave Maria”, relata.

Passados dez anos após a consulta com João de Deus, Fábio, marido de Deborah, morreu em 2019. Ela conseguiu dar seu depoimento para a série que vai ao nesta terça-feira (23).

Embora tenha sido condenado e preso, João de Deus foi beneficiado com a prisão domiciliar em razão da pandemia do novo coronavírus. Em entrevistas, ele negou todas as acusações.

Próxima notícia

Dê sua opinião: