PANDEMIA

Piauí tem 19 mortes em 24h e bebê de um mês está entre 967 novos infectados com Covid-19

Apenas cinco municípios no Piauí continuam sem registro do novo coronavírus até hoje


Traslado de paciente com Covid-19 em Teresina

Traslado de paciente com Covid-19 em Teresina Foto: Divulgação/Sesapi

Há três dias o Piauí segue registrando número abaixo de 20 mortes em decorrência do novo coronavírus. Nas últimas 24h foram 19 óbitos e 967 casos de pacientes contaminados com a Covid-19, incluindo bebê de apenas um mês. Os dados constam no boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) divulgado às 19h45 desta segunda-feira (27).

As sete mulheres que faleceram recentemente são de Barras (60 anos), Barro Duro (66 anos), Jatobá do Piauí (69 anos), Joaquim Pires (59 anos), Piripiri (66 anos) e Teresina (65 e 88 anos).

Já os 12 homens são das cidades de Cocal dos Alves (77 anos), Luzilândia (89 anos), Parnaíba (89 anos), Picos (43 e 99 anos), Piripiri (75 anos) e Teresina ( 39, 46, 51, 76, 90 e 94 anos).

Segundo o boletim, dos 967 casos confirmados da doença, 545 são mulheres e 422 homens, com idades que variam de um mês a 94 anos.

O número de municípios piauienses atingidos pela pandemia permanece 219, o que representa 97,77% do território piauiense.

Os municípios que não tiveram casos registrados de Covid-19 até agora somam cinco: Arraial, Canavieira, Cristalândia, Jardim do Mulato e João Costa.

Dos leitos existentes na rede de saúde do Piauí para atendimento à Covid-19, há 789 ocupados, sendo 460 leitos clínicos, 311 UTIs e 18 leitos de estabilização. As altas acumuladas somam 2.076 e as altas do dia, 35.

Agora, são 47.551 casos confirmados e 1.278 óbitos distribuídos entre 123 municípios. Deste total, morreram 742 homens e 536 mulheres.

O que é o COVID-19

COVID-19 é a doença infecciosa causada pelo coronavírus descoberto mais recentemente. Este novo vírus e doença eram desconhecidos antes do início do surto em Wuhan, China, em dezembro de 2019.

Como se proteger do coronavírus

- Lavar as mãos frequentemente por 20 segundos com água e sabão ou higienizá-las com álcool em gel;

- Cobrir o nariz e a boca com um lenço ou o cotovelo ao tossir e espirrar;

- Evitar contato próximo (um metro de distância) com pessoas que não estejam bem;

- Ficar em casa e se isolar das outras pessoas que moram com você caso apresente os sintomas da doença.

Sintomas do COVID-19

Os sintomas mais comuns do COVID-19 são febre, cansaço e tosse seca. Alguns pacientes podem ter dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta, diarreia, perda do olfato e paladar. Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Algumas pessoas são infectadas, mas não desenvolvem sintomas e não se sentem mal.

A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recupera da doença sem precisar de tratamento especial. Cerca de 1 em cada 6 pessoas que recebe COVID-19 fica gravemente doente e desenvolve dificuldade em respirar.

As pessoas idosas e as que têm problemas médicos subjacentes, como pressão alta, problemas cardíacos ou diabetes, têm maior probabilidade de desenvolver doenças graves.

Pessoas com febre, tosse e dificuldade em respirar devem procurar atendimento médico.

Quem é do grupo de risco

Idosos e pessoas com condições médicas pré-existentes (como pressão alta, doenças cardíacas, doenças pulmonares, câncer ou diabetes) parecem desenvolver doenças graves com mais frequência do que outros.

Serviço ao leitor

Baixe aplicativo Monitora Covid 19 através do Play Store ou Appe Store, localizando "Monitora Covid 19". Coloque nome, CPF e endereço no cadastro e você poderá falar com médicos de várias especialidades.

Pelo aplicativo Monitora Covid 19, você também poderá fazer consulta e ser atendido de forma virtual ou, se necessário, presencial qualquer dia da semana e qualquer hora, na rede de saúde publica e privada, em qualquer cidade do Piauí. O serviço funciona 24 horas.

Acesse

Para mais informações sobre a Covid-19 e como enfrentar a doença baixe e acesse link abaixo:

http://coronavirus.pi.gov.br

Próxima notícia

Dê sua opinião: