Mais de dois terços dos assassinatos registrados no PI ocorreram em Te

assassinatos teresina pesquisa sinpolpi


Mais de dois terços dos assassinatos registrados no Piauí no mês passado aconteceram em Teresina. O Estado teve um total de 36 homicídios dolosos em maio e deste número, 25 foram na Capital e onze nos municípios do interior do Estado. Os dados são de uma pesquisa mensal realizada pelo Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Piauí (Sinpolpi), com o objetivo de medir o grau de violência contra a pessoa do Estado do Piauí.

A pesquisa mostra números antagônicos se forem comparados com os dados dos assassinatos registrado em abril. Naquele mês menos na metade dos homicídios dolosos aconteceram na capital. Foram, no total, 43 crimes previstos no artigo 121 e deste total, 26 aconteceram no perímetro do município de Teresina.

Com relação aos números absolutos, os dados demonstram que ocorreu uma redução de sete assassinatos em maio em comparação com abril. O mesmo ocorre quando o comparativo é feito com os dados do mês de maio de 2011 quando foram registrados 41 assassinatos.

Apesar da redução, para o presidente do Sinpolpi, Cristiano Ribeiro, a pesquisa mais uma vez mostra que falta investimentos em segurança pública por parte do Governo do Estado para que estes números voltem a cair.

Falta estrutura, principalmente no interior do Estado onde o número de policiais é mais reduzido que na Capital e onde muitos deles são obrigados a andar centenas de quilômetros para cobrir outros municípios onde não há um delegado, um agente e um escrivão.

CIDADES – No mês passado o pequeno município de Cocal da Estação, na região de Parnaíba, no Norte do Estado ficou com o triste título de município mais violento do Estado tirando a Capital. Naquele município foram registrados três assassinatos em maio e com isto Cocal ficou à frente até mesmo de Parnaíba, o segundo município mais populoso do Piauí que sempre registrava o segundo maior número de crimes desta natureza.

Fonte: Da redação

Próxima notícia

Dê sua opinião: