Governador libera R$ 220 mil para restaurar estrutura do Hospital Infantil

O processo licitatório terá início já no mês de fevereiro, após aprovação da Comissão Intergestores Bipartite (CIB)


Vistoria aponta irregularidades no Hospital Infantil

Vistoria aponta irregularidades no Hospital Infantil Foto: Divulgação/MP

Após uma vistoria promovida pelo Ministério Público do Piauí apontar graves problemas estruturais no Hospital Infantil Lucídio Portela, o governador Wellington Dias autorizou, nessa sexta-feira (21), a execução de projeto emergencial para recuperação da estrutura física do hospital.  A intervenção tem caráter imediato e dará solução a problemas em instalações elétricas, detalhamento e infiltrações. Para tanto, serão aplicados R$ 220 mil. 

Além dos trabalhos emergenciais, há previsão de uma ampla reforma das instalações do centro médico já para o próximo ano. “A ótima notícia é que, fruto do trabalho da bancada federal, e destaco aqui o esforço do senador Ciro Nogueira, nós conseguimos assegurar, junto ao Ministério da Saúde, o empenho de R$ 6 milhões para uma ampla reforma, essencial no processo de modernização do hospital”, destaca Dias. 

O processo licitatório terá início já no mês de fevereiro, após aprovação da Comissão Intergestores Bipartite (CIB). A iniciativa resultará na ampliação do número de leitos de UTI, modernização do centro cirúrgico e leitos de urgência emergência. 

A direção do hospital também anunciou a adoção de medidas de segurança para coibir o desvio de medicamentos, com a unitarização das doses dos remédios aos pacientes, apesar de não existirem registros de furtos de medicamento no hospital. 

Único centro hospitalar pediátrico de alta complexidade a realizar todos seus atendimentos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Lucídio Portela se consolida como estrutura fundamental para o funcionamento do sistema de saúde pública piauiense. Apenas em novembro, mais de 300 pacientes foram beneficiados com atendimentos urológicos, voltados ao público masculino, de 0 a 15 anos, através da campanha Novembrinho Azul.  

Fonte: CCOM

Próxima notícia

Dê sua opinião: