DESAPARECIDA

Família pede ajuda para encontrar servidora pública do DF vista pela última vez no Piauí

A mulher estaria passando por problemas psicológicos e fugiu de casa


Servidora pública desaparece e família pede ajuda para encontrá-la

Servidora pública desaparece e família pede ajuda para encontrá-la Foto: Divulgação

A servidora pública de Brasília no Distrito Federal (DF), Tatylla Pereira Farias Aquino de Moura, de 33 anos, está desaparecida desde quarta-feira (21) e foi vista pela última vez em um posto de gasolina na cidade de Altos, a 41 km de Teresina, na quinta-feira (22).

Tatylla estava em Fortaleza (CE) visitando a família e fazendo tratamento psicológico devido a uma depressão profunda. Segundo informações, ela teve um surto e fugiu de casa em busca da filha de cinco anos, que ficou em Brasíia.

Segundo familiares,  Tatylla foi vista pela última vez na cidade piauiense, até que teria pego uma carona às 4h da manhã em um caminhão. Sem telefone, dinheiro e usando apenas a roupa do corpo, Tatylla pode estar em qualquer lugar.

De acordo com Aline Pinheiro, tia da servidora, Tatylla vive uma série de conflitos familiares, o que teria levado ao quadro de depressão. Na terça-feira (21), Tatylla pediu para a mãe shampoo e creme para tomar banho e chegou a ligar o chuveiro para fingir que estava tomando banho. Neste momento, a servidora fugiu pelo portão eletrônico. 

"Ela é casada, o marido dela é de Brasília e ela de Fortaleza. Ela morava lá, até que o marido dela saiu da empresa que eles trabalhavam lá e eles vieram para cá. Ele montou uma loja aqui no Shopping Iguatemi, mas não deu certo e eles voltaram pra lá. Ela é concursada e estava tentando transferir para cá para Fortaleza. Eles estavam separados, mas viviam brigando muito. Ele sempre alegou que ela não estava bem psicologicamente", conta a tia.

A família trouxe Tatylla para Fortaleza para entender o que estava acontecendo, mas a coisa desandou quando ela fugiu de casa. 

"Ela foi para o Aeroporto para viajar com a filha, mas ele entrou com uma medida que ela não poderia se ausentar de Brasília com a criança. Então ele chegou com a polícia e conselho tutelar para tomar a criança dela. Afetada psicologicamente,  com esse acontecimento ela piorou muito. Então a família conseguiu trazer ela para cá", acrescenta.

A tia de Tatylla conta que ela teria sido vista entrando em um caminhão branco, mas que na ausência de câmaras de segurança externas no posto onde ela foi vista, não foi possível identificar a placa ou o motorista. A família segue em busca de informações sobre o paradeiro dela. Quem vir a Tatylla, pode avisar à família no WhatsApp (85) 99637-6601.

"Tivemos a notícia concreta dela em Altos. Nesse posto, onde o gerente falou com várias pessoas que conversaram com ela. A filha dela tem cinco anos e elas são muito apegadas. Os dias que ela ficou aqui ela só repetia isso. Ela quer encontrar a filha dela. Que a filha dela estava sofrendo e que ela tinha que ir para Brasília. Eu acho que ela está nesse sentindo, de tentar carona até chegar lá", conclui a tia.

Fonte: Jornalesp

Próxima notícia

Dê sua opinião: