Estudantes da Uespi fazem protesto em frente ao Palácio de Kanark

Os alunos do curso de Medicina realizam uma série de manifestações desde a semana passada


Estudantes da UESPI fazem manifestação no Palácio de Karnak

Estudantes da UESPI fazem manifestação no Palácio de Karnak Foto: Reprodução/WhatsApp

Estudantes da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) realizaram um protesto em frente ao Palácio de Karnak na manhã desta terça-feira (18) para reclamar da aprovação do Orçamento do Estado para 2019 ocorrida nessa segunda-feira (17) na Assembleia Legislativa do Piauí. Os estudantes de medicina querem melhorias no curso e cobram maior destinação de recursos para a instituição. 

Os alunos seguiram da Facime em caminhada até o Palácio de Karnak, eles seguravam cartazes com frases e vestiam preto. Ao chegarem ao local os portões estavam fechados, mas depois foram recebidos por representantes do Governo.  

“A nossa intenção é falar com qualquer representante do Governo. São anos de descaso com a instituição e no estado que ela está agora é de sucateamento, estado catastrófico e meu curso pode fechar daqui um ano ou dois anos por falta de professor e de estrutura. Na Alepi eles fizeram a votação do orçamento 2019 por baixo dos panos, eles disseram para a gente que seria hoje. Então a gente veio aqui [Palácio de Karnak] e encontra os portões fechados. Não somos bardeneiros, somos estudantes e daqui alguns anos estaremos no mercado de trabalho”, disse Aldo Rodrigues, acadêmico de medicina da Uespi. 

Estudantes da UESPI encontram portões do Palácio de Karnak fechados

A mobilização dos alunos conta com o apoio do Sindicato dos Docentes da Universidade Estadual do Piauí. “Estamos apoiando o movimento porque o Sindicato dos Docentes defende a UESPI em primeiro lugar, queremos que a universidade atenda todos os estudantes que chegaram. Eles reclamam de calamidade estrutural, o teto está quase desabando na cabeça deles. Queremos mais qualidade de ensino, mais professores nas salas de aula", diz a professora Rosângela Assunção, presidente do Sindicato. 

Fonte: Redação

Próxima notícia

Dê sua opinião: