VEÍCULO

Coordenadoria recebe veículos para fortalecer políticas para as mulheres

A coordenadora estadual de Políticas para as Mulheres, Zenaide Lustosa, exalta a importância da estruturação da Coordenadoria


Recebimento veículos

Recebimento veículos Foto: CCOM

A Coordenadoria Estadual de Políticas para Mulheres recebeu, na manhã da terça-feira (23), dois veículos para otimizar a sua atuação em todo o estado. Os veículos foram adquiridos com recursos do empréstimo do Governo do Estado com o Banco Mundial. A coordenação do programa no Piauí é realizada pela Secretaria de Estado do Planejamento (Seplan). A aquisição faz parte do Projeto Piauí: Pilares do Crescimento e Inclusão Social.

De acordo com o diretor de Operações Externas da Seplan, Felippe Gustavo, esta é uma iniciativa para equipar a Coordenadoria de Política para as Mulheres para que ela possa desempenhar as suas atividades em todo o estado e possa ter uma maior capilaridade de suas ações na defesa da mulher e das políticas de incentivo à participação da mulher no mercado e na defesa de seus direitos.

A coordenadora estadual de Políticas para as Mulheres, Zenaide Lustosa, exalta a importância da estruturação da Coordenadoria para o fortalecimento das políticas públicas voltadas para as mulheres. “Esses carros vão possibilitar que a gente fortaleça os Organismos de Políticas para as Mulheres nos municípios que são a base para que as políticas públicas consigam, não só serem viabilizadas, mas também terem mais efetividade”, declara.

Segundo Zenaide, com a chegada dos veículos, as equipes da coordenadoria poderão fazer mais visitas aos 12 Territórios do Desenvolvimento, buscando fortalecer as políticas públicas e também criando mais organismos para as mulheres. “Nós temos como meta criar até o final de dezembro mais 15 organismos e, em 2020, a gente consiga que 50% do estado do Piauí possa ter uma estrutura que trabalhe políticas públicas para mulheres, fortalecendo essas políticas nos municípios”, conta.

A coordenadora também chama a atenção para a necessidade do fortalecimento da Rede de Atendimento a Mulher, que passa pelo fortalecimento dos OPMs. “O fortalecimento dos organismos vai possibilitar que outras políticas, não só na área do enfrentamento à violência, mas na questão da saúde, da assistência social, da educação e, principalmente, com o foco na geração de trabalho e renda e na questão de começar a mudar a cultura organizacional dentro das escolas. Isso possibilitará que a gente tenha uma nova cultura de combate ao machismo, que hoje é muito forte”, reforça Zenaide.

Fonte: CCOM

Próxima notícia

Dê sua opinião: